Urubu ferido é resgatado e passa por tratamento em Votorantim, SP

Urubu ferido é resgatado e passa por tratamento em Votorantim, SP
Animal silvestre está com a asa quebrada

Há mais de três semanas um urubu com ferimentos e asa quebrada circulava em terrenos baldios da Vila Garcia, em Votorantim. Visivelmente em sofrimento, a ave silvestre fazia malabarismos para se alimentar e fugir dos cachorros que tentavam atacá-la.

Após buscar apoio de órgãos públicos, sem sucesso, alguns moradores do bairro resolveram capturar a ave. Foram necessários alguns dias para a captura ser realizada com sucesso, uma vez que o bicho é arisco.

Ao saber do caso, o veterinário Sérgio Cardoso, da VetPrime Clínica Veterinária, localizada na Vila Jardini, em Sorocaba, se ofereceu para prestar os primeiros socorros à ave, que agora está sendo cuidada em seu consultório.

O veterinário soube do caso através da representante regional do Instituto é o Bicho, Mari Gimenez, de Votorantim, nesta quinta-feira (29/02).

O veterinário explicou que a ave aparenta ter uma fratura na asa esquerda. “Faremos uma radiografia para saber a dimensão da fratura”, disse. Ele tratou um outro ferimento da asa, medicou e alimentou o animal.

Mari Gimenez lamentou que, em algumas situações, a população não tenha como buscar ajuda para animais em condições semelhantes. Ela explicou que os urubus são importantes para o ambiente, pois ajudam a manter a limpeza, comendo organismos em decomposição. No entanto, muitas pessoas têm repulsa por eles, o que dificulta o cuidado em casos como esse.

O médico veterinário Sérgio Cardoso reforçou que o urubu faz parte do nosso ecossistema, já que são fundamentais para auxiliar na limpeza das cidades e a manutenção do equilíbrio ecológico do meio ambiente, e que, por serem considerados animais silvestres (como pombos, morcegos e capivaras), os urubus não podem ser mortos nem maltratados, pois são protegidos pela Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998 – Lei de Crimes Ambientais. O artigo 32 diz “Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa”.

Por Werinton Kermes

Fonte: Gazeta de Votorantim

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.