‘Vacina’ anticoncepcional coloca vida de gatos e cachorros em risco

O caso de uma gata resgatada pelo cuidador independente Gabriel Chaves rendeu uma grande discussão esta semana no Twitter. A gatinha foi encontrada com tumores por todo o corpo. Após ser levada ao veterinário, descobriu-se que a causa da doença foi uma vacina (sic) anticoncepcional, mais conhecida como “anti-cio”.

“A gatinha tem no máximo um ano, é bem pequena, não desenvolveu completamente e hoje 70% do corpo dela são tumores. Eles estão vazando, o cheiro é insuportável, a causa disso são hormônios aplicados que inibem a ovulação”, escreveu no post.

De acordo com Gabriel, a vacina foi aplicada no animal quatro vezes em apenas um ano, causando graves infecções e a necessidade de tratamento urgente. O cuidador afirma que ela está assim há 3 meses e os antigos tutores não tomaram nenhuma providência.

Em sua página do Instagram, Gabriel pede ajuda para arcar com o tratamento da gata, antes dela ser encaminhada para um novo lar.

A gatinha foi resgatada por sofrer maus-tratos dos antigos tutores.

Com apenas um ano a gatinha foi encontrada com tumores por todo o corpo.

 

Após ser levada ao veterinário foi descoberto que ela chegou em tal situação devido a vacina anticoncepcional.

A veterinária Camila Maximiano, da Clínica Pompeu, conta que a vacina contém altas taxas de hormônio que podem causar hiperplasia mamária, tumores malignos e até mesmo infecções generalizadas por todo corpo e no útero. Para ela, o tratamento é totalmente contraindicado em cães e gatos.

“As gatas fêmeas são as que mais sofrem com esse método, pois os sintomas se manifestam de maneira mais intensa nelas. Além disso, a vacina só inibe o cio, ela não evita que a gata tenha filhote, pois a gata ovula por meio do contato com o macho”, conta.

De acordo com Camila, diferentemente dos cães, os gatos não precisam estar no cio para ter filhotes, tornando a vacina um método que causa apenas danos à saúde do animal. “As cadelas também sofrem muito com esse tipo de método, elas podem apresentar tumores e pseudociese canina, a famosa gravidez psicológica”, alerta.

Castração

Para a veterinária a melhor solução para inibir o cio e uma possível gestação é a cirurgia de castração. Em fêmeas, o procedimento diminui o risco de câncer de mama, evitando também infecções e inflamações. E, nos machos, o câncer nos testículos pode ser previnido.

“A castração é um método que só traz benefícios. As fêmeas não entram mais no cio, os cães e gatos param de querer demarcar território com a urina e o animal pode ficar mais dócil também”, garante a especialista.

Por Zilá Motta

Fonte: Metrópoles 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.