Veículos de tração animal serão proibidos de rodar em vias de Lajeado, RS

Veículos de tração animal serão proibidos de rodar em vias de Lajeado, RS

Carroças, charretes e veículos similares que utilizem tração animal serão proibidos de circular em algumas das principais ruas de Lajeado. Além disso, a utilização de tais carros deverá ser reduzida gradativamente com o passar do tempo. As determinações partem de um projeto de lei aprovado com unanimidade na sessão desta terça-feira (6) na Câmara de Vereadores de Lajeado. A proposta leva em conta iniciativas semelhantes adotadas em outros municípios e que evitam a sobrecarga de equinos.

Assinam a proposta os vereadores Antônio Marcos Schefer (MDB), Carlos Eduardo Ranzi (MDB), Eder Spohr (MDB), Neca Dalmoro (PDT) e Waldir Blau (MDB). Para explicar a necessidade do projeto, a médica veterinária Fernanda Bonaldo Fett solicitou o uso da tribuna livre, benefício que lhe foi colocado à disposição antes da apreciação da matéria. “Vimos este projeto entrando na câmara e nos interessamos no sentido de dar apoio, pois outros municípios gaúchos vêm tratando este tema”, disse.

Na companhia da presidente da ONG Apama, Ana Rita Silva Azambuja, a médica veterinária relatou atendimentos feitos a equinos em Lajeado o que, segundo ela, seria algo frequente. A presidente contou que “é muito triste e muito cruel para os animais que vivem sob esforços absurdos, muitas vezes sem vacina, sem alimentos e sem água”.

Como Lajeado não dispõem de um local para receber animais de grande porte, uma das solicitações feitas ao Poder Executivo municipal é para que disponibilize um espaço adequado, conforme Ranzi, um dos autores do projeto. “Temos que aguardar um movimento da prefeitura na criação de um espaço para daí sim conseguirmos avançar no recolhimento desses animais”. Atualmente ONGs fazem o recolhimento.

Animal resgatado em Lajeado era utilizado para conduzir veículos. (Foto: Divulgação/Apama)

No texto, a circulação de veículos de tração animal é proibida nas seguintes vias: Avenida Senador Alberto Pasqualini, Avenida Benjamin Constant, Avenida Avelino Tallini, Avenida Alberto Müller, Avenida Amazonas, Rua Bento Gonçalves, Rua Julio de Castilhos, Rua João Abott e Rua 17 de Dezembro. Diante da aprovação, caberá à prefeitura sancionar a lei, fiscalizar e punir descumprimentos à normativa.

Por vezes os cavalos são utilizados por recicladores e catadores de lixo. A médica veterinária sugeriu que o animal seja substituído por uma espécie de bicicleta acoplada ao veículo e que a administração municipal incentive outras formas de renda para essas pessoas. “É uma ideia para o carroceiro, para facilitar a vida dele, pois não terá mais de alimentar e cuidar do animal”, destaca Fernanda.

Durante a sessão, vereadores comentaram a proposta, para a qual teceram elogios. Adi Cerutti (PSD) foi um deles. O legislador, contudo, aproveitou para falar de um projeto de sua autoria, também com foco na causa animal, e que foi rejeitado este ano. “Tantos que hoje assinam este votaram contra o meu. Poderíamos ter sido exemplo”. A proposta proibia a utilização de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos que pudessem provocar estouros e estampidos nos domínios do município.

Fonte: Grupo Independente

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.