Vendedora aluga casas para cuidar de cães e gatos abandonados e maltratados em Goiânia, GO: 'Missão'

Vendedora aluga casas para cuidar de cães e gatos abandonados e maltratados em Goiânia, GO: ‘Missão’

A paixão pelos animais fez com que a vendedora Mônica Aquino, de 46 anos, alugasse três casas para cuidar de 226 cães e gatos abandonados e maltratados em Goiânia. Ela tem um gasto mensal de R$ 15 mil com os bichos e já teve de vender o carro para pagar parte das contas do abrigo.

“É uma missão, não dá para desistir deles. É muito bom receber a gratidão e o carinho dos animais, não dá para explicar”, disse Mônica.

O G1 publica, desde o aniversário de Goiânia, a série de reportagens “Você faz a diferença”, sobre pessoas e projetos que fazem da capital um lugar melhor.

Natural do Paraná, Mônica já morou em outros estados e se mudou para Goiânia em 2016. Na época, ela começou a cuidar na rua dos animais maltratados, pois morava em um apartamento e não tinha como abrigá-los.

“Dava comida, castrava, levava para feiras de adoção e pagava lar temporário porque os abrigos não recebiam”, se recorda.

Mônica Aquino cuida de 226 cães em abrigo improvisado, em Goiânia, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1

Lar dos Animais

Para ter onde deixar os cães e gatos, Mônica se mudou para uma casa e fundou o “Lar dos Animais”. Logo depois, teve de se mudar para um imóvel com área maior porque já estava com 10 bichos.

“Uma família se mudou e deixou 12 gatinhos, como vou largar na rua? Fui pegando, pegando e quando vi já não cabiam todos. Tive de alugar mais outra casa para deixar os gatos e uma outra para eu morar”, conta a vendedora.

De acordo com Mônica, muitas pessoas resgatam os animais e os deixam no abrigo com a promessa de pagar a alimentação e tratamento, mas elas não voltam. Assim, as dívidas começaram a acumular, e ela teve de vender o carro no fim de 2017 para custear as despesas com os bichos.

São 79 abrigados no Lar dos Animais em Goiânia, Goiás — Foto: Arquivo pessoal/ Mônica Aquino

Além disso, desde dezembro, a vendedora não consegue pagar o aluguel de uma das três casas. A dona do imóvel se comoveu com a situação e liberou que Mônica pagasse apenas as rações dos cães e gatos que estão no local.

Mesmo assim, segundo Mônica, a dívida já está alta novamente. Apesar de ficar com o coração partido, ela parou de abrigar novos animais, pois o gasto fixo, mensal, com alimentação, aluguel e salários dos dois ajudantes é de R$ 15 mil, fora vacinação e outros procedimentos veterinários.

Outro motivo é a falta de estrutura adequada. “Não tem cobertura para todos os animais. Quando chove, parte da área externa alaga. É preciso organizar melhor algumas baias. O ideal seria conseguir uma chácara para instalar o abrigo definitivamente”, afirma Mônica.

O Lar dos Animais tem uma página no Instagram com quase 9 mil seguidores. Apesar do grande alcance do perfil, Mônica afirma que quase ninguém ajuda financeiramente ou adota os cães e gatos.

“Precisamos muito de ajuda. Se cada seguidor doasse R$ 5 por mês, a gente pagaria todas as dívidas e conseguiria construir o abrigo em uma chácara”, calcula Mônica.

Casa adaptada para abrigo precisa de cobertura para as baias dos animais, pois, quando chove, eles se aglomeram no interior do imóvel, em Goiânia, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1

Por Paula Resende 

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.