Vereadores negam intenção de liberar rodeio em Jaú, SP

Vereadores que votaram pela manutenção da proibição da realização de rodeios em Jaú e que antes teriam se comprometido em agir de forma diferente negam que tenham mudado de postura.

Anteontem, por 11 votos contra cinco, o Legislativo decidiu manter a lei aprovada em 2013, que proibiu as montarias no Município.

Autor da proposta rejeitada pela Câmara, Fernando Henrique da Silva (PSB) diz que alguns vereadores teriam dito a ele antes do pleito de 2 de outubro que iriam liberar os rodeios. “Estranhei a atitude deles, porque até a eleição eles eram favoráveis.”

Gilberto Vicente (SD) chegou a endossar o projeto com Silva, mas votou contra a proposta. Alega que autorizou a inserção de seu nome, mas avisou que votaria contra a matéria.

Um dos vereadores mais hostilizados na sessão de anteontem pelo grupo pró-rodeio, Tito Coló Neto (PSDB) também alega que não “fechou questão” com o colega do PSB.

Segundo o tucano, se houvesse necessidade do seu voto, apoiaria a liberação do rodeio – Coló Neto é um dos últimos a votar por causa da ordem alfabética na chamada dos legisladores.

Segundo ele, como havia conversado com outros vereadores e tinha a certeza de que a proposta não seria aprovada, avisou Silva que o projeto seria rejeitado. Por esse motivo, seu voto não faria diferença no placar final.

Posicionamento
 
João Carlos Toledo (PSB) é outro vereador que teria mudado de lado na hora da votação. De acordo com ele, em nenhum momento se comprometeu com Silva.

Diz que assinou documento para que o projeto entrasse em votação e que manteve a coerência de 2013, quando foi contrário à realização de rodeios em Jaú. (AZ)

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.