Vergonhoso! Vereadores de Xanxerê (SC) rejeitam moção contra corridas de galgos em SC e assunto gera polêmica

Vergonhoso! Vereadores de Xanxerê (SC) rejeitam moção contra corridas de galgos em SC e assunto gera polêmica
Votação ocorreu durante sessão na Câmara de Vereadores na última quarta-feira (15). Foto: Reprodução/Redes Sociais

Em Xanxerê, a votação de uma moção de apelo na noite da última quarta-feira (15), na Câmara de Vereadores, tem gerado polêmica nas redes sociais. O documento seria encaminhado ao governador do Estado, Carlos Moises, à Assembleia Legislativa (Alesc) e aos deputados catarinenses pedindo a proibição da corrida de galgos no Estado de Santa Catarina. Muitas pessoas demonstraram estar insatisfeitas com o resultado da votação, já que a maioria dos legisladores foi contra a proposta.

A moção foi apresentada pelo vereador Alcedir Rama (MDB). Ela foi rejeitada por cinco votos contra e quatro a favor da moção. Os vereadores que votaram contra são: Altair Rossato (Podemos), Evandro Berto (PP), Evandro Saibo (MDB), Cabo Oliveira (MDB) e Serginho Nunes (PSL). Já os vereadores que votaram a favor são: Alcedir Rama (MDB), Alessandro Antoniolli (PT), Sidão (PT) e Vilmar do Som (Republicanos).

Assista a votação:

Nas redes sociais muitas pessoas demonstraram indignação e geraram discussão pela rejeição da proposta. O Grupo de Bem Estar Animal, que atua no município, também usou a página do Facebook da entidade para comentar a votação, destacando que os animais muitas vezes são drogados para melhorar o desempenho nas corridas, o sacrifício dos cães que se machucam e o abandono quando não podem mais correr.

Lembrando que a prática da utilização de cães da raça galgo em corridas já foi proibida no Rio Grande do Sul e em países como Argentina e Uruguai.

Por Felipe Bastos

Fonte: Canal Ideal


Nota do Olhar Animal: É um vexame para a Câmara de Xanxerê e para toda a cidade que seus vereadores protejam a criminosa corrida de galgos. A quem estão protegendo?

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.