Veterinária é multada em R$ 10,5 mil por criar animais clandestinamente no Distrito Federal

Veterinária é multada em R$ 10,5 mil por criar animais clandestinamente no Distrito Federal
Cobra apreendidaIbram/Divulgação

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) apreenderam, nesta terça-feira (14/7), animais silvestres que eram criados clandestinamente em cativeiro. O caso ocorreu em Sobradinho.


Após denúncia anônima, os fiscais estiveram no local e encontraram uma cobra jiboia, uma tigre d’água e um jabuti. A proprietária dos animais é uma médica veterinária. Ela foi multada em R$ 10,5 mil pela posse ilegal dos animais.

Nativos da fauna brasileira, os répteis foram retirados do cativeiro e encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama.

Tartaruga encontrada pelos fiscaisIbram/Divulgação
Cobra apreendidaIbram/Divulgação
Fiscais do Ibama estiveram no imóvelIgo Estrela/Metrópoles 

Explosão de casos

Na última semana, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) localizou, em um cativeiro em Vicente Pires, várias espécies exóticas criadas clandestinamente.

Segundo os investigadores, o proprietário do imóvel escondia três tubarões, cinco jiboias, duas cobras Pítons, um teiú e uma moreia. Ele apresentou documentação apenas para justificar a posse de uma jiboia e do teiú.

O flagrante ocorreu após a Delegacia de Combate à Ocupação Irregular do Solo e aos Crimes Contra a Ordem Urbanística e o Meio Ambiente (Dema) receber denúncia anônima.

Uma das espécies silvestres encontradas pela PCDF no local aparenta ser um tubarão-lixa, ou enfermeiro, e pode medir até 4 metros de comprimento. As fêmeas têm entre 1,2 metro e 3 metros.

O suspeito responderá pelos crimes de maus-tratos, posse de espécie silvestre sem autorização e introdução de espécie animal no país sem licença. Se somadas as penas, ele poderá ficar detido por até 3 anos. Todos os delitos preveem aplicação de multa.

Tráfico de animais exóticos

Após a repercussão do caso envolvendo um estudante de medicina veterinária picado por uma cobra Naja, a PCDF tem recebido inúmeras denúncias sobre o paradeiro de animais exóticos criados sem autorização.

Desde que o caso veio à tona, a corporação tomou conhecimento da localização de várias serpentes silvestres encontradas em uma chácara de Planaltina.

Há suspeita de que as cobras tenham relação com o grupo de colecionadores de cobras exóticas alvo de investigação da Polícia Civil do DF (PCDF).

Os investigadores suspeitam de que os proprietários integrem esquema de tráfico de animais silvestres. Segundo o delegado Willian Ricardo, responsável pelas investigações na 14ª Delegacia de Polícia (Gama), os próximos passos dos agentes serão identificar a rede de comercialização dos animais e saber, de fato, o que ocorreu no dia em que o universitário foi atacado pela cobra.

Pedro é estudante de medicina veterinária. Foto: Arquivo Pessoal
A cobra Naja não é registrada no Brasil. Material cedido ao Metrópoles
Ela costuma viver em regiões da África e Ásia. Material cedido ao Metrópoles
No Brasil, não há Najas, logo o soro que combate o veneno desse tipo de serpente é raro. Material cedido ao Metrópoles
Após as primeira buscas, a Naja não foi encontrada. Material cedido ao Metrópoles
A Naja é umas das cobras mais venenosas do mundo. Material cedido ao Metrópoles
Delegado William Ricardo, da 14ºDP, investiga o caso.
Carro do Ibama em frete ao edificio: padastro do estudante picado não teria colaborado com as autoridades.- Carlos Carone/Metrópoles
Movimentação em prédio no Guará: vizinhos temiam que a cobra invadisse outros apartamentos pela tubulação.- Carlos Carone/Metrópoles
Policiais do 14ºDP foram ao endereço do estudante picado por Naja para tentar capturar a serpente. -Carlos Carone/Metrópoles

Por Victor Fuzeira

Fonte: Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.