Vídeo: Animais são encontrados agonizando e cadela morre parindo

Vídeo: Animais são encontrados agonizando e cadela morre parindo

Protetora acredita que local seja usado para desova de animais.

Por Laura Holsback

MS campogrande cadela1

Protetora encontrou, na manhã de hoje, animais abandonados, gravemente feridos e agonizando. Entre eles, tinha cadela, que não resistiu e morreu parindo. O local que acredita-se ser ponto para desova fica em região de chácara, no Bairro José Abrão, em Campo Grande, MS.

A protetora de animais, Ionar Luba, conta que ficou sabendo do endereço por meio de postagem que visualizou no Facebook. “Vi anteontem mensagem sobre Poodle que estaria no local com metade do rosto ferido e fui tentar encontrá-lo. Não achei e hoje me ligaram dizendo que ele estava por lá. Fui novamente e de cara encontrei galo que parecia ser de rinha morto, amarrado. Mexi em caixa de papelão e saíram vários gatos. Em seguida, escutei choro e encontrei a cadela agonizando, tentando parir. Perto tinha um Boxer dentro de sacola também quase morrendo”, contou.

Ionar acredita que o ponto seja usado para desova de animais. “Tinham muitos. Com certeza usam para deixar os animais morrerem. Se têm a intenção de sacrificar, que levem ao Centro de Zoonose. Fazer uma coisa dessa é muita covardia”, lamenta a protetora.

Ionar disse, ainda, que tentou pedir ajuda a motoristas que passavam pelo local, mas ninguém parou. Ela conseguiu resgatar o Boxer. No entanto, o Poodle que tinha ido procurar, não localizou. A cadela não resistiu e morreu depois de parir um filhote morto e outros morreram na barriga.

A protetora vai denunciar o caso à Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista (Decat) para que seja investigado.

Veja abaixo vídeo de Boxer agonizando. O animal foi levado para clínica particular e a protetora pede ajudar de voluntários para pagar despesas. O contato com ela pode ser pelo telefone 9 9287-4734.

Fonte: Correio do Estado

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.