VÍDEO: Bombeiros do DF resgatam cães ilhados no RS

VÍDEO: Bombeiros do DF resgatam cães ilhados no RS
Bombeiros do DF devem atuar no RS até quinta (16). — Foto: CBMDF

Bombeiros do Distrito Federal resgataram 51 cachorros ilhados no Rio Grande do Sul durante missão de salvamento no estado devastado pelas chuvas (veja vídeo acima). No sábado (11), a Força Tarefa completou sete dias atuando na ajuda às vítimas das enchentes.

VÍDEO: Bombeiros do DF resgatam cães ilhados no RS

A previsão é que a equipe permaneça no Rio Grande do Sul até quinta-feira (16). Até sábado, os militares tinham resgatado 51 animais e 149 pessoas, sendo 129 adultos e 20 crianças que corriam risco de vida, isolados em áreas tomadas pelas enchentes.

Parte da equipe trabalha no município de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, onde ainda há alto risco de novos deslizamentos de terra. A segunda frente de atuação é no município São Leopoldo.

Conforme os bombeiros, na cidade que fica na região metropolitana de Porto Alegre, o trabalho está concentrado “no fornecimento de alimentos, água potável e demais itens essenciais para as vítimas”. A cidade também foi devastada (assista abaixo entrevista da Tenente-Coronel Paula Tiemy, que lidera a equipe de bombeiros).

VÍDEO: Bombeiros do DF seguem em missão no Rio Grande do Sul

Alerta para domingo (12)

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres (Cemaden) emitiu alerta de risco muito alto riscos hidrológicos e geológicos no Rio Grande do Sul neste domingo (12). Os alertas estão relacionados às possíveis consequências das fortes chuvas. Eles são hidrológicas – como inundações e alagamentos – e geológicos, como deslizamentos de terra e desabamentos.

De acordo com o boletim divulgado pela Defesa Civil no início da noite de sábado (11), mais de 2,1 milhões de pessoas foram afetadas pelo temporais e cheias que atingem o Rio Grande do Sul desde o final de abril. O estado tem 136 mortes confirmadas, 125 desaparecidos e 806 feridos.

Por Marcella Rodrigues

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.