Vídeo chocante de um matadouro francês leva a seu fechamento

Vídeo chocante de um matadouro francês leva a seu fechamento

O prefeito de uma cidade no sul da França fechou o matadouro local após um vídeo ter aparecido mostrando o modo horrível e ilegal que os animais eram tratados dentro. Cuidado: O vídeo pode chocar os leitores.

Por Oliver Gee / Tradução Alice Wehrle Gomide

Franca matadouro fechamento

Vacas se contorcendo enquanto suspensas no ar após terem suas gargantas cortadas, porcos gritando em pânico enquanto estão sendo asfixiados com gás, e cavalos cambaleando após levarem um tiro.

Estas eram as cenas publicadas no último dia 14 pelo grupo ativista L214, tiradas de uma gravação de mais de 50 horas feita por “alguém que tinha acesso interno” ao matadouro Abattoir d’Alès no sul da França.

“Estes animais estão morrendo em condições terríveis, é completamente horrível”, Brigitte Gothière, co-fundadora do L214, disse ao The Local no dia 15.

Seria difícil você discordar. O vídeo está abaixo e contem imagens extremamente gráficas. Aconselha-se a discrição do espectador.

O vídeo rapidamente se tornou viral na França após ser revelado pelo site de notícias Le Point, juntando centenas de milhares de visualizações no YouTube em um dia.

Pouco tempo após o vídeo ser publicado, o prefeito Max Roustan fechou o matadouro, dizendo que ele estava “comovido com as imagens” e que ele fecharia o matadouro até que visse os resultados de uma investigação.

Gothière do L214 ficou contente com a notícia, mas disse que ainda há muito trabalho a ser feito.

“É claro que estamos contentes que eles fecharam, mas gostaríamos que isso fosse mais a fundo, temos a esperança que isso lance um debate público sobre o fechamento de todos os matadouros na França”, ela disse.

“Cada vez que vídeos como esses aparecem, pessoas dizem oh la la, mas a verdade é que é assim que os matadouros funcionam. Este matadouro em Alès não é pior que nenhum outro na França”.

“Nós temos a esperança de mudar a mentalidade das pessoas a respeito da prática de comer animais, e esperamos mudar para uma França onde pessoas não comem animais quando não precisamos”.

O grupo passou a filmagem para um especialista veterinário para análise, e eles entraram com uma ação judicial formal sobre a crueldade, assim como a falta de saúde e segurança básicas e ignorarem os procedimentos legais básicos sobre como os animais devem ser abatidos.

O grupo escreveu em seu site que os funcionários do matadouro não seguiram protocolo em diversas ocasiões durante o filme de 4 minutos.

Por exemplo, quando os animais recuperam a consciência após levarem um choque com a arma de choque, os funcionários algumas vezes escolhem começar o processo do abate ao invés de administrar outro choque com a arma.

O grupo também notou que os porcos eram gaseados por somente cerca de 30 segundos, apesar da lei dizer que deveria ser por pelo menos 2 minutos para garantir que eles não acordem antes de serem mortos.

Usuários de mídias sociais foram ao Facebook e Twitter para chamarem as práticas do matadouro de “barbáricas “ e “revoltantes”.

O matadouro, que processa 3.000 cavalos, 20.000 porcos, 40.000 ovelhas e 6.000 bois ao ano, se recusou a falar com a mídia sobre o escândalo.

As filmagens foram vistas pelo grupo de extrema-direita National Front, que criticou o ritual Halal para abater animais através do corte na garganta como “tortura”.

Os animais que passam pelo matadouro são abatidos usando ambos os métodos clássicos e o Halal, com cerca de 30% dos bois e 40% das ovelhas destinadas ao mercado Halal.

O grupo ativista insistiu que o método de abate era irrelevante, e que isso desvia do problema principal, a crueldade animal.

“Seja usando ou não o ritual Halal, os métodos deste matadouro são chocantes. Bois que foram mal atordoados e porcos asfixiando não tem nada a ver com Halal”, o porta-voz do L214 disse ao L’Express.

Fonte: The Local 

Nota do Olhar Animal: Estranho é que qualquer método de abate não seja considerado chocante. Para as vítimas, o final é o mesmo: a morte, a violência derradeira. Não são necessários vídeos para que se saiba disto, mas muita gente ainda se surpreende. De qualquer forma, o abate dito “humanitário” é uma grande mentira criada para agregar valor aos produtos de origem animal, tornando-os mais caros. E também para dar conforto moral aos consumidores, buscando reduzir eventuais dramas de consciência com a ideia de que os animais foram “bem tratados”. Mesmo que não fosse uma grande farsa, não diminuiria em nada a imoralidade do abate. Seria tão injusto quanto tratar bem um ser humano, para depois anestesiá-lo e então assassiná-lo. Aceitável? Recomendamos a leitura do artigo ‘Abate humanitário‘. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.