Vídeo flagra cachorros pulando do quinto andar de prédio da Universidade Federal do Ceará

Vídeo flagra cachorros pulando do quinto andar de prédio da Universidade Federal do Ceará

A instituição afirma que está apurando o caso junto à vigilância para saber como os cães foram parar no local.

Um vídeo publicado no Youtube mostra o momento em que quatro cachorros pulam do quinto andar de um prédio em construção no Campus do Pici, da Universidade Federal do Ceará (UFC). O fato ocorreu no último domingo, 17, e foi confirmado pela UFC. A instituição afirma que está apurando o caso junto à vigilância para saber como os cães foram parar no local e, então, decidir que providências irá tomar.

Conforme a Universidade, a obra já teve sua primeira etapa concluída e está, no momento, suspensa, à espera da finalização da licitação para a segunda etapa. A área está isolada e o canteiro de obras conta com um vigilante.

O POVO Online tentou entrar em contato com a estudante responsável por gravar o vídeo, mas até o momento não deu retorno. Em um grupo fechado de alunos da UFC no Facebook, a universitária que gravou o vídeo teria dito que os cães sobreviveram a queda, mas um deles teria ficado ferido.

Segundo a UFC, a instituição tem buscado impedir que animais sejam abandonados em suas dependências. “Várias ações já são executadas. No Centro de Ciências (Campus do Pici), o Núcleo Sete Vidas, formado por estudantes e servidores da UFC, realiza bazares para arrecadar fundos destinados à compra de remédios, vacinas, serviços veterinários e castração (no caso de gatos), além de realizar feiras de adoção (de cães e gatos). No Porangabuçu, uma equipe também se reúne para executar ações semelhantes. A UFC tem realizado ainda um trabalho educativo, com base na divulgação do Art. 32, da Lei Federal nº. 9.605 de 1998 (Lei de Crimes Ambientais), que classifica como crime abandono e maus-tratos de animais”, disse a Universidade por meio de nota.

Fonte: O Povo

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.