Vídeo mostra mulher agredindo cadela com chutes e tapas em rua de Macapá, AP

Vídeo mostra mulher agredindo cadela com chutes e tapas em rua de Macapá, AP
Denúncia de agressão será formalizada na Delegacia de Meio Ambiente (Foto: Reprodução)

A professora Cristiane Mesquita, de 40 anos, conta que se surpreendeu quando chegou do trabalho, na quinta-feira (16), e recebeu um vídeo de um vizinho. Nas imagens registradas por um circuito de segurança, uma mulher que passa pela rua agride com chutes e tapas a cadela da professora.

Cristiane detalha que quando saiu para trabalhar não percebeu que a cadela, da raça vira-lata, tinha saído da casa. Ela mora num residencial fechado, localizado no bairro Universidade, Zona Sul de Macapá. A professora ressalta que a cadela de nome “Samanta” é dócil e não ameaça os moradores.

Cadela não teve ferimentos, segundo a dona
(Foto: Cristiane Mesquita/Arquivo Pessoal)

Com o vídeo em mãos, a dona do animal disse que vai formalizar uma denúncia na Delegacia de Meio Ambiente (Dema). Segundo Cristiane, a cadela não teve ferimentos graves. A suspeita é que agressora não more no residencial.

“O caso ocorreu logo depois que saí de casa, às 14h. Minha cadela fugiu para brincar dentro do residencial. Quando retornei depois de algumas horas, recebi o vídeo de uma pessoa agredindo covardemente ela. Em nenhum momento a Samanta representa ameaça a essa pessoa como o vídeo mostra”, reforçou.

Defesa dos animais

Nesta sexta-feira (17), a Polícia Civil do Amapá realizou uma operação que apura denúncias de maus-tratos a animais em Macapá e Santana. A ação fez buscas em nove casas. O trabalho começou na Zona Norte da capital e continuou até o fim da tarde em mais locais na Zona Sul e no município de Santana.

A polícia recebeu denúncias de casos de abandono, tortura com correntes, animais com fome e sede e outros de raça que foram escravizados para procriação. Uma cadela grávida foi a primeira da operação a ser encontrada em uma casa abandonada.

Por Jorge Abreu

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.