VÍDEO: ONG acusa Gucci de tirar peles de cobras para fazer bolsa

VÍDEO: ONG acusa Gucci de tirar peles de cobras para fazer bolsa
Um trabalhador bate na cabeça de uma cobra com um martelo em uma imagem da investigação da PETA Ásia.

A ONG PETA, maior organização de defesa animal do mundo, está acusando a Gucci de esfolar cobras ainda vivas para produzir bolsas. A ONG acusa a marca de maus-tratos contra cobras. A PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais, em inglês) diz que a Gucci compra peles de cobras esfoladas ainda vivas para produzir as bolsas de luxo.

Cobras são marteladas, impaladas, enfiando ganchos de metal em suas cabeças e inflando seus corpos com água e depois esfoladas, disse a ONG. A investigação indicaria que a Kering, empresa-mãe de Gucci e Yves Saint-Laurent, compra peles de cobra de fazendas na Tailândia que agem de maneira “antiética” contra os animais. A empresa não quis comentar o caso.

Esta é a segunda investigação recente da PETA Ásia sobre a indústria tailandesa de peles exóticas. A investigação do grupo sobre a utilização dos crocodilos no país, revelou que os trabalhadores usaram lâminas de metal para cortar grosseiramente o pescoço de crocodilos vivos, um dos quais continuou a mover-se durante mais de 20 minutos enquanto era esfolado vivo.

“É tão cruel e nojento quanto qualquer lugar, onde suas cabeças são batidas com martelos e alguns ainda se movem enquanto são inflados com água. Se você está comprando produtos de moda – casacos, bolsas feitas de peles de animais selvagens – eles vêm de animais tratados assim. As pítons torturadas e mortas por causa de suas peles na Tailândia estão entre os estimados 5,5 bilhões de animais selvagens cultivados comercialmente todos os anos para uso na moda, na medicina tradicional, no entretenimento e como ‘animais de estimação’. Marcas de luxo como a Gucci são parte do problema. Instamos as marcas de moda a abandonarem as peles e a investirem em alternativas inovadoras.

As pítons são bombeadas com água para esticar a pele, pode levar horas ou dias para uma cobra morrer, e elas ficam conscientes durante o processo, o que é feito para proteger a qualidade da pele. Os répteis são sencientes e expressam emoções e dor como nós, por isso é tão assustador e doloroso para eles quanto seria de esperar.”

Veja o vídeo:

Por Marcela Donelli

Fonte: Onda Digital


Nota do Olhar Animal: Por definição, não existe modo “ético” de explorar seres sencientes, que portanto são sensíveis e e são capazes de distinguir experiências positivas e negativas. Todos eles tem interesses próprios que devem ser respeitados.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.