Vídeo secreto feito em matadouro australiano revela um abuso chocante

Vídeo secreto feito em matadouro australiano revela um abuso chocante
Uma imagem do vídeo mostrando um bezerro sendo atingido no pescoço com uma arma elétrica de atordoamento (Imagens: Animals Australia)

Um dos matadouros mais antigos de Victoria, na Austrália, foi penalizado e quatro funcionários transferidos após um vídeo secreto ter revelado o maltrato de animais, incluindo de porcos e bezerros recém-nascidos.

Mais de 170 horas de filmagem feitas dentro do Riverside Meats Abattoir mostra bezerros sendo agredidos e perfurados com pinos de metal, assim como porcos sendo atingidos por tiros repetidamente, antes de levarem seis minutos para morrer.

A filmagem perturbadora também mostra animais sendo atingidos com dispositivos elétricos de atordoamento no pescoço, rosto e cabeça, ao invés de somente ao lado da cabeça.

Foi a segunda vez em três anos que o órgão regulador dos matadouros, PrimeSafe, tomou ações contra a companhia.

Acredita-se que o vídeo foi enviado anonimamente para o grupo de direitos dos animais Animals Australia há três semanas, que então enviou o mesmo para as autoridades. O veterinário chefe de Victoria foi solicitado para investigar as alegações de crueldade animal.

A diretora executiva do Animals Australia, Glenys Oogjes, disse que havia uma “cultura óbvia de violência” no matadouro, com o filme mostrando “equipamentos designados para reduzir o sofrimento sendo utilizados como dispositivos para tortura, infligindo uma crueldade terrível”.

“Um dispositivo de atordoamento em mãos erradas, ou usado de forma incorreta, se torna uma arma. A dor e o sofrimento estendido que esses animais enfrentaram é totalmente indesculpável”, ela disse ao jornal Bendigo Advertiser.

Glenys disse que a filmagem contem exemplos chocantes de crueldade animal, incluindo:

Uma imagem do vídeo mostrando um bezerro recém-nascido sendo agredido
Uma imagem do vídeo mostrando um bezerro recém-nascido sendo agredido
  • Bezerros e ovelhas sendo repetidamente atingidos no pescoço, rosto e cabeça com os pinos de metal de um dispositivo elétrico de atordoamento;
  • O deslocamento rotineiro do equipamento de atordoamento, provavelmente resultando em muitos animais sendo paralisados, mas completamente conscientes e sentindo dor quando abatidos;
  • Bezerros de fazendas leiteiras e ovelhas escapando de caixas de contenção e caindo no chão, passando por cima de animais mortos e morrendo;
  • Funcionários agredindo bezerros confusos para movê-los até o abate;
  • Funcionários respondendo aos animais assustados e em pânico com mais agressão, xingando-os, rindo deles e jogando-os de forma grosseira de volta à mesa de abate;
  • Gado estressado tentando pular para fora da caixa de metal de contenção para abate.

Em um dos piores exemplos, um porco em uma caixa de contenção para gado foi atingido múltiplas vezes com uma arma de atordoamento, antes de ser baleado duas vezes com um rifle. A provação durou mais de seis minutos, Oogjes disse.

Uma imagem do vídeo secreto
Uma imagem do vídeo secreto

A PrimeSafe disse que o vídeo inclui casos recentes e históricos.

Auditorias semanais foram solicitadas até que o Riverside Meats possa demonstrar que está em conformidade com os padrões australianos, o que requer que os animais sejam atordoados com impulsos elétricos administrados nos dois lados do cérebro.

O diretor do Riverside Meats, Chris Peat, disse em uma declaração que apesar de não concordar com ativistas entrando ilegalmente na propriedade para filmar, sua família ficou chocada com as ações capturadas no vídeo.

“Animais merecem um tratamento melhor. Nós somos uma família de fazendeiros com respeito enorme pelos nossos animais. Isto é angustiante para nós, e iremos tomar providências”.

Ele apoiou a instalação de câmeras de vigilância em sua instalação de abate em Echuca, com monitoramento independente.

“Australianos amam sua carne, e eles merecem ter a garantia que esta é produzida ética e humanamente”.

Ele disse que era difícil mudar as atitudes, práticas e cultura com as quais a indústria vem operando por décadas. Ele disse que os quatro funcionários foram transferidos para outros cargos.

Em 2013, alguns funcionários do mesmo matadouro receberam advertências formais e os proprietários prometeram uma melhoria na infraestrutura e no treinamento, após um vídeo similar ter sido divulgado.

A Animals Australia está pedindo ao governo de Victoria que introduza câmeras de vigilância em todos os matadouros e que as gravações sejam monitoradas de maneira independente.

“Se é isto que está acontecendo em um matadouro que deveria ser submetido a um escrutínio mais detalhado, nós não temos nenhuma confiança que abusos similares, ou piores, não estão acontecendo em outros matadouros ao redor de Victoria”, Oogjes disse.

A PrimeSafe ainda está investigando o caso.

Assista ao vídeo clicando aqui.

Por Marika Dobbin Thomas / Tradução de Alice Wehrle Gomide


Nota do Olhar Animal: Tudo que ocorre com os animais em um matadouro é abusivo e não só o que foi está nestas imagens, que refletem apenas um recrudescimento destes abusos. Matar um animal é um abuso, na medida em que se viola um direito moral fundamental deste ser: o direito à vida.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.