Vídeos de quiropraxia em animais viralizam no TikTok; especialistas avaliam se prática é recomendada

Vídeos de quiropraxia em animais viralizam no TikTok; especialistas avaliam se prática é recomendada
Quiroprata alemão Murat Colak — Foto: Reprodução/Tiktok

Vídeos do quiroprata e osteopata alemão Murat Colak girando pescoços, massageando rabos, alongando patas e torcendo colunas tomaram as redes sociais nas últimas semanas. Estamos falando de animais, claro. As gravações mostram cães, gatos e até cobras sendo submetidos a esta técnica – que provoca sons impressionantes enquanto o profissional manipula os bichinhos.

VÍDEO: Osteopata alemão viraliza ao aplicar quiropraxia em animais

O g1 conversou com especialistas em quiropraxia e osteopatia animal – as fisioterapeutas veterinária Monica Veras e Monica Sartori – para entender se a prática é recomendada.

“A quiropraxia pode ser feita em qualquer espécie animal. Animais silvestres, cães, gatos, corujas e até cobras. O mais importante é que o profissional tenha experiencia na espécie porque a anatomia muda de um bicho para outro. A gente não pode pegar um profissional que tenha experiência em equino, por exemplo, para fazer o trabalho em um gato ou cobra. Em equinos, é uma prática muito comum. Em pequenos animais, não é uma prática tão comum”, afirmou a fisioterapeuta veterinária Monica Veras.

Os barulhos são normais?

Os barulhos dos estalos nas gravações assustam e, de acordo com as especialistas, não deveriam acontecer. As liberações têm o objetivo de proporcionar um bem-estar ao animal, mas podem causar danos aos bichinhos se feitas de forma inadequada.

“Em animais, esses estalos não são normais porque os bichinhos não “cavitam” como humanos. Os estalos levam o nome de cavitação vertebral, que ocorrem por conta de movimentos repentinos aplicados durante a sessão. Esses barulhos acontecem nos humanos porque o líquido sinovial, que envolve as articulações, sofre uma pressão e pequenas bolhas estouram nas articulações, causando o efeito do estalo”, disse Monica Sartori.

“Se realizada como esse médico alemão fez, não respeitando a biomecânica e anatomia dos animais, a quiropraxia pode causar lesões. Sem utilizar o método correto, há risco de causar danos às artérias que correm junto a coluna, danos aos nervos, edemas e, em casos extremos, até fraturas da coluna vertebral”, completou a especialista em fisiatria.

Geralmente, as liberações são realizadas para realinhar a coluna vertebral, tendo como consequência um alívio de tensões musculares e articulares. No entanto, há alguns limites para que lesões não aconteçam.

“Tem muitos vídeos que mostram algumas liberações com o barulho muito alto. Nada mais é o ar que fica entre as articulações. Quando a gente chega a provocar esses sons é porque já ultrapassou os limites. Hoje, a quiropraxia correta não faz esse barulho todo”, explicou Veras, que também é integrante da Comissão de Fisioterapia Veterinária do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP).

Quais são os benefícios?

Murat Colak aplica quiropraxia em cachorro — Foto: Reprodução/Tiktok
Murat Colak aplica quiropraxia em cachorro — Foto: Reprodução/Tiktok

Na maior parte dos casos, os tutores costumam recorrer à quiropraxia animal após constatarem problemas motores nos animais. Apesar disso, a técnica pode trazer benefícios para outras questões fisiológicas dos animais.

“Geralmente, os donos dos animais procuram esse trabalho por causa de problemas motores. O animal tem dificuldade para se locomover, eles já não andam como andavam há dois anos ou seis meses atrás. Onde essa técnica vai atuar? Ela vai atuar na parte nervosa e muscular, liberando esse ponto de tensão que causa essa dor”, afirmou Monica Veras.

“Você pode trabalhar um cão que está a toda hora com diarreia e gases através de um ponto na coluna que tem ligação com o estômago do animal. A coluna pode travar algumas partes do intestino e do estômago. Não só trabalhar a dor muscular, mas as dores em vísceras – estômago, intestino e fígado e bexiga – também”, completou.

Por Matheus Rodrigues

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.