Vira-lata morre deprimida após morte do tutor, diz família

Vira-lata morre deprimida após morte do tutor, diz família

Cesário Valverde morreu de infarto há dois meses em Novo Horizonte (SP). ‘Depois que ele morreu ela foi ficando triste, não comia mais nada’, diz viúva.

Por Marcos Lavezo

SP NovoHorizonte cadela morre deprimida1

Uma história de amor entre o cão e seu tutor chamou atenção de moradores de Novo Horizonte (SP), cidade com pouco mais de 35 mil habitantes. O aposentado Cesário Cespedes Valverde, de 69 anos, morreu no dia 1º de junho. Ele era tutor da vira-lata Fila e por causa da morte de Cesário, a cadelinha teria ficado deprimida e morreu no último sábado (1º), justamente dois meses após a morte do tutor.

Fila, como era chamada, acompanhava o tutor em todos os passeios que fazia pela cidade, como supermercado, lotérica, padaria, praça. Segundo a família, com a morte de Cesário, a cachorra passou a chorar todos os dias e se recusava a comer. “Depois que ele morreu ela foi ficando triste, não comia mais nada, única coisa que fazia era beber água. Não queria mais sair de casa, foi ficando cada vez mais deprimida, parecia que sentia a falta dele”, afirma Maria Lúcia Duarte Cespedes, viúva de Cesário.

Maria Lúcia conta que Cesário adotou Fila há oito anos, quando ele a viu na rua, muito magra e debilitada. Cesário a alimentou e deu carinho e, desde então, os dois não se desgrudavam mais. Por ser um morador antigo na cidade, todos conheciam a história de Cesário e Fila. “Todo mundo conhecia a história deles, eles viviam andando pelas ruas juntos. Onde o Cesário estava, a Fila estava atrás dele”, afirma Maria Lúcia.

Cesário morreu por causa de um infarto e, para Maria Lúcia, um fato que marcou muito o amor de Fila pelo dono foi quando o aposentado foi socorrido. “Quando ele passou mal, os bombeiros vieram buscá-lo e a Fila foi atrás da ambulância. Quando chegamos ao hospital ela estava lá na porta, parece que ela sabia o que iria acontecer”, relembra.

Maria Lúcia explica que depois da morte de Cesário levou a Fila várias vezes ao veterinário para tentar descobrir o que ela tinha, já que não estava comendo e vivia pelos cantos da casa. “Ela fez exames, deram injeção para fortalecer, mas um dos veterinários disse que ela estava triste mesmo, que não tinha problemas de saúde”, afirma.

A história de amor entre o aposentado e a cachorra ganhou destque até nas redes sociais. O morador Marco Antônio Rodrigues, que é voluntário em uma associação de proteção de animais na cidade, postou a história na internet e ganhou dezenas de compartilhamentos. “É uma história muito triste. Ele morava perto de casa e sempre via os dois juntos. Isso mostra o amor de um animal pelo seu tutor. Quando a gente vê histórias assim, fica se imaginando como alguém pode ainda judiar de um cachorro”, afirma.

SP NovoHorizonte cadela morre deprimida2

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.