Vítima de pit bull diz que não culpa o animal e tenta se recuperar do susto

Vítima de pit bull diz que não culpa o animal e tenta se recuperar do susto
Estudante no Imol nesta manhã (Foto: André Bittar)

Assustada e sem lembrar direito o que aconteceu na noite de ontem, a estudante de 19 anos, Milena Silva, ainda tenta entender o motivo pelo qual foi atacada por um cachorro da raça pit bull. Ela estava sozinha no ponto de ônibus que fica na Rua Luiz Charbel, no Jardim Mansur, por volta das 19h desta quarta-feira (22) quando foi surpreendida com a mordida do animal.

“Eu estava de costa para a casa, onde ele fica, mexendo no celular, vi a hora que o dono chegou e de repente senti a mordida”, declarou ainda assustada e tentando se recuperar do susto. Hoje, ela agradeceu um policial e a esposa que conseguiram afastar o cachorro dela.

Em frente ao Imol (Instituto Medicina e Odontologia Legal) para fazer o exame de corpo delito, nesta quinta-feira (23), Milena relatou ao Campo Grande News que não culpa o cachorro e agradece aos primeiros que chegaram ao local.

“O animal tem instinto e se sentir ameaçado vai atacar, mesmo estando parado. Eu só gritei socorro e veio o policial e a esposa dele, que é enfermeira e fez os primeiro atendimentos, ainda bem”.

À espera pelo ônibus que a levaria para a escola, a jovem foi atacada e seu destino foi transferido para o ProntoMed (Pronto Atendimento Médico) da Santa Casa. “Estava atrasada, só lembro do cachorro em cima de mim. Ele mirou no meu pescoço. Na primeira mordida abocanhou e chacoalhou para me jogar no chão”, relatou.

Jovem levou pontos nas costas e na bochecha
Ferimento causados por Pit bull já estavam com curativos

Ela relatou ainda que o policial quis dar um tiro no animal, mas o dono pediu para que não fizesse isso. “Ele me mordeu a primeira vez e caiu, mas pegou impulso e grudou novamente. Pegou na minha bochecha e na parte de trás da minha cabeça. Quando as pessoas chegaram ele correu e conseguiram acoar ele em um muro. O dono pediu para não atirar”, afirmou.

Ainda sem saber quais providências vai tomar com relação ao dono do pit bull, ela disse que está focada em cuidar da saúde. Triste e assustada ao lembrar da agressão, Milena destaca que o cachorro era conhecido por ser bravo e está no local desde que o imóvel foi assaltado.

“O motorista do ônibus recomendava que não ficasse na frente da casa, sempre antes ou depois, por causa do cachorro. Ele está aqui tem quatro meses porque a casa foi assaltada e era conhecido por ser bravo. Eu não culpo o animal e sim o dono. Tem que cuidar melhor”, lamentou.

Jovem sofreu vários ferimentos (Foto: Direto das Ruas)

Por Yarima Mecchi e Marcus Moura

Fonte: Campo Grande News 


Nota do Olhar Animal: Parabéns à Milena pela lucidez. Desejamos melhoras para ela. O culpado NUNCA é o animal. Pessoas de intelecto prejudicado e moral baixa costumam atribuir a responsabilidade aos animais e, muitas vezes, buscam vingança contra eles, punindo-os como se eles tivessem alguma obrigação moral de agir desta ou daquela forma.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.