Viver em zoológicos fora de seu ambiente natural pode perturbar os pandas, revela estudo

Viver em zoológicos fora de seu ambiente natural pode perturbar os pandas, revela estudo

Pesquisadores da Universidade de Stirling que estudaram os animais vulneráveis ​​em seis zoológicos ao longo de 12 meses disseram que, assim como os humanos na Escócia experimentam o TAS nos meses mais escuros e frios, os pandas podem ter dificuldade para se adaptar totalmente a ambientes para os quais não evoluíram.

Todos os animais têm um ritmo circadiano regulado por sinais do seu ambiente natural, incluindo temperatura, ciclos de luz e alimentação sazonal.

Descobrimos que os pandas gigantes alojados em jardins zoológicos em latitudes mais elevadas do que a sua área de distribuição natural apresentarão níveis de atividade mais baixos. Kristine Gandia, Universidade de Stirling

Se estes sinais forem bastante diferentes daqueles dos habitats para os quais evoluíram, isso perturba os seus corpos e comportamento.

O novo estudo descobriu que os pandas gigantes alojados em jardins zoológicos fora da latitude da sua área de distribuição normal são menos ativos, com potenciais consequências para o seu bem-estar.

Os comportamentos anormais e sexuais dos pandas flutuaram em pontos semelhantes, descobriu a pesquisa publicada na Frontiers in Psychology.

Segundo os investigadores, isto pode sugerir que podem estar frustrados por não poderem migrar ou acasalar normalmente, uma vez que a migração e o acasalamento ocorrem na mesma estação, a primavera.

Kristine Gandia, da Faculdade de Ciências Naturais da Universidade de Stirling, que liderou o estudo, disse: “Descobrimos que abrigar pandas gigantes em zoológicos fora de sua distribuição latitudinal natural, onde sinais ambientais como a luz têm ciclos diferentes daqueles em que evoluíram pois, tem efeito nos ritmos de comportamento ao longo do dia e ao longo do ano.

“Os animais sincronizam os seus relógios internos com sinais externos, como luz e temperatura, para que possam exibir ritmos de comportamento adaptativos, como dormir ou comer nas horas certas do dia ou acasalar na melhor altura do ano.

“Quando os relógios internos não estão sincronizados com sinais externos como luz e temperatura, os animais experimentam efeitos adversos.

“Em humanos, isso pode variar desde jet lag até problemas metabólicos e transtorno afetivo sazonal.

“Descobrimos que os pandas gigantes alojados em jardins zoológicos em latitudes mais elevadas do que a sua distribuição natural apresentarão níveis de atividade mais baixos.

“Também descobrimos que comportamentos relacionados com o sexo e comportamentos anormais e repetitivos têm ritmos semelhantes ao longo do ano, o que implica que os pandas gigantes podem apresentar comportamentos anormais e repetitivos quando são incapazes de expressar comportamentos relacionados com o sexo, substituindo um comportamento pelo outro.”

Os pesquisadores usaram webcams para monitorar 11 pandas gigantes em seis zoológicos, dentro e fora do habitat natural dos pandas, observando a atividade geral, o comportamento sexual e o comportamento anormal.

Os animais foram observados entre meia-noite e 6h em intervalos regulares ao longo do ano, de dezembro de 2020 a novembro de 2021.

Fonte: G7

Nove razões para não visitar zoológicos

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.