Voluntário arrecada milhares de tampinhas plásticas para ajudar animais abandonados nas ruas de Curitiba

Voluntário arrecada milhares de tampinhas plásticas para ajudar animais abandonados nas ruas de Curitiba

Muitas pessoas se comovem com a situação triste em que vivem os animais de rua, mas poucas fazem algo de fato, ou quem faz são sempre as mesmas: as protetoras independentes, essas mulheres guerreiras. Mas Gerson Navarro, inconformado com a precariedade em que vivem muitos animais abandonados, resolveu agir.

Gerson Navarro
Gerson Navarro

Gerson, que reside em Curitiba (PR), e trabalha como vendedor de carros multimarcas, sempre foi envolvido com a causa animal e já ajudou muitos protetores de animais com consultas, medicamentos, castrações e alimentação, mas queria ajudar mais.

Sabendo do grande número de abandonados que a cidade tem, ele começou a buscar soluções mais amplas e que pudessem ter um rendimento mais significativo, e se tornar auto-sustentável para poder ajudar um número ainda maior de animais abandonados. Aí surgiu a ideia do projeto: coletar / pedir algo que iria para o lixo e ainda iria poluir nosso meio ambiente, as tampinhas plásticas. Gerson não hesitou nem um segundo, agarrou a ideia na hora pensando: “quem não iria doar tampinhas que iriam para o lixo, para transformá-las em castrações e diminuir os abandonos pela cidade?”.

O caminho não seria fácil, mas depois de muitas dificuldades, tentativas e persistência, finalmente começou a render os primeiros lucros. Uma das alternativas utilizadas por Gerson Navarro e que se mantém até hoje, foi iniciar este projeto que tem como objetivo arrecadar o maior número possível de tampinhas plásticas — garrafa pet, produtos de higiene, beleza, limpeza, alimentos, bombonas de água e medicamentos, e depois de recolhidas, elas são vendidas para empresas de reciclagem e o valor arrecadado da venda é utilizado para castrar, alimentar, e cuidar dos animais resgatados por protetores independentes de Curitiba. Este tipo de projeto teve origem no Rio Grande do Sul, mas foi renomeado por Gerson para Curitiba Ecopet.

O projeto começou em agosto de 2018, mas segundo Gerson Navarro, a primeira campanha de arrecadação não teve o resultado esperado. “Levou um ano para eu recolher 534 quilos, quando fui vender quase chorei, pois o valor deu uma mixaria, mas desistir jamais, como deixar de ajudar quem penso 24 horas por dia, que são os animais de rua, que tem fome, sede e frio”, diz Gerson.

Este ano, já foram quatros cãodomínios entregues pelo projeto Curitiba Ecopet, isso mesmo moradias para cães comunitários.

Com a ajuda e apoio de outros voluntários, a Curitiba Ecopet conseguiu mais pontos de coleta, o que ajudou a arrecadar um número ainda maior de tampinhas e assim mais dinheiro para a causa animal. Já na segunda arrecadação, de uma tonelada e meia, eles conseguiram quase cinco vezes o valor da primeira venda.

Atualmente, Curitiba conta com um total de 80 pontos de coleta espalhados pela cidade e região metropolitana, e 12 voluntários envolvidos diretamente com o projeto, que já ajudaram mais de dezenas de animais, desde a fundação da Curitiba Ecopet.

Desde março, com a chegada da pandemia, as tampinhas deixaram de ser recolhidas devido ao alto risco de contaminação e pelo fato de que o único local de armazenamento ainda é a casa de Gerson. Para continuar ajudando os animais de rua, Gerson Navarro criou uma vaquinha online para poder manter a ajuda aos animais, que segundo ele, há centenas de casos todos os dias, divulgados pelas redes sociais da causa animal.

Assim, quando tudo voltar ao normal após a pandemia, o projeto voltará muito mais forte pois força vontade e ideias não faltam para o fundador do projeto Curitiba Ecopet, Gerson Navarro.

Se você quiser contribuir com o projeto esse é o link da vaquinha online: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-para-castracao-de-animais-de-rua-porque-em-tempos-de-pandemia-o-isolamento-e-fisico-e-nao-social

Acompanhe o Curitiba Ecopet no Instagram e fique por dentro das atividades do projeto: curitibaecopet.

Fonte: Curitiba Ecopet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.