Zimbábue desiste de processar americano que matou leão Cecil

Zimbábue desiste de processar americano que matou leão Cecil

Caçador não sabia que estava cometendo um crime, disse o governo. Agora, autoridades irão investigar o organizador de safári.

Zimbabue desiste processar americano

O Zimbábue anunciou nesta segunda-feira (12) que desistiu de processar judicialmente o dentista e caçador americano que matou em julho passado o emblemático leão Cecil. De acordo com as autoridades, “seus documentos estavam regulares” e o turista não sabia que estava cometendo uma infração.

“Está provado que (o dentista Walter) Palmer esteve no Zimbábue porque todos seus documentos estavam regulares”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Oppah Muchinguri, diante da imprensa em Harare, completando que o dentista sempre será bem-vindo ao Zimbábue, “mas não para caçar”.

Na realidade, explicou a ministra, o proprietário do terreno no qual foi realizada a caça não tinha direito de propiciar a caça do leão neste local, porque não lhe havia sido atribuída nenhuma cota de caça.

Palmer, que seguia seu guia, ignorava em qual lugar estava exatamente quando disparou com seu arco uma flecha contra Cecil. Mas o dentista americano pagou de maneira legal US$ 55 mil (o equivalente a R$ 207 mil, na cotação do último dia útil) pela permissão de caça e pelo safári.

“Como poderíamos processá-lo?”, perguntou Muchinguri, completando: “o problema agora é interno (do Zimbábue). Vamos reavaliar nossa política de atribuição de cotas (de caça)”.

Desta maneira, quem ficará agora na mira da justiça é o organizador do safári, o caçador profissional Theo Bronkhorst. Ele deve comparecer novamente em 15 de outubro diante de um tribunal, após o adiamento de seu processo no final de setembro.

A morte de Cecil, macho dominante do parque Nacional de Hwange e famoso por sua juba negra, provocou protestos em todo o mundo por parte dos defensores dos animais. O leão, de 13 anos, tinha um colar com GPS porque era acompanhado por um programa de estudos científicos.

Fonte: G1 / Da France Presse 

Nota do Olhar Animal: Vergonhosas a atitude e a justificativa das autoridades do Zimbábue, que escancaram o fato de que o que sempre esteve em pauta foi a legalidade do abate de Cecil e não a caça dele em si. Aliás, não deve interessar a estas autoridades e a seus tentáculos que um caçador, fonte de renda para eles, seja castigado. O que desejam é mesmo sinalizar a impunidade, atraindo assim mais e mais assassinos que lhes paguem bem pelas mortes. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.