Zoo chinês nega abuso de tigres após ser filmado maltratando tigres

Zoo chinês nega abuso de tigres após ser filmado maltratando tigres

Mais uma semana, mais uma alegação de abuso de tigres em um zoológico chinês.

Uma gravação de uma apresentação com tigres no começo de janeiro no Hangzhou Safari Park causou revolta após ter sido exposta na mídia social no último dia 22. O vídeo mostra treinadores no zoo usando chicotes para controlar os grandes tigres brancos durante uma apresentação ao estilo de circo.

No começo do vídeo, que foi postado online por uma organização de direitos dos animais de Beijing, um tigre morde o chicote de um treinador e tenta arrancá-lo de sua mão. Outro treinador rapidamente interfere, chicoteando o animal na cabeça. Com isso, o tigre assustado cai para trás dentro de uma piscina com água.

Em outra cena, um dos tigres pode ser visto sangrando em um ferimento na cabeça. A câmera dá um zoom para revelar que os caninos do predador foram removidos.

O vídeo original já foi visto mais de 24 milhões de vezes. Cidadãos revoltados pediram o fechamento do zoológico e para que seus funcionários sejam punidos.

“Os treinadores deveriam ser jogados para os tigres como comida, em forma de punição”, comentou um usuário da rede social Weibo.

Após o vídeo ter se tornado viral na Weibo, o departamento de publicidade do zoológico emitiu uma declaração negando as acusações de abuso, dizendo que elas eram baseadas em mentiras (ao invés de fatos reais), apesar de que eles prometeram investigar o incidente filmado.

Enquanto aguardamos os resultados da investigação, você pode assistir o vídeo abaixo no YouTube:

Ou no Tencent:

No começo de janeiro, outro vídeo apareceu na internet mostrando um tigre em um circo na província de Hunan preso a uma mesa de metal com sua cabeça pressionada para baixo e membros amarrados para que ele não possa se mexer nem um centímetro enquanto visitantes sobem nele para uma sessão de fotos.

Vídeo via Weibo

Por Alex Linder / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Shanghaiist

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.