Raposas e visons são presas em gaiolas estéreis na fazenda de peles 'assombrosas'

Raposas e visons são mortos com gás e eletrocussão anal para manter pele intacta

“Eles estavam apenas sentados e deitados, parecendo fantasmas, como se não houvesse ninguém em casa.”

Claire Bass nunca esquecerá as coisas horríveis que viu quando visitou duas fazendas de peles na Finlândia no mês passado.

“Fomos à noite porque queríamos ter uma visão precisa do que é o comércio de peles… e certamente entendemos isso”, disse Bass, diretora-executiva da Humane Society International (HSI) do Reino Unido, ao The Dodo. “Foi a experiência mais horrível de toda a minha carreira profissional … e uma que não vou esquecer tão rápido.”

Na primeira fazenda, Bass e sua equipe visitaram raposas e cães-guaxinins, e a segunda criava visons, e ambas as instalações tinham semelhanças surpreendentes na forma como tratavam os animais.

“Havia minúsculas gaiolas de arame estéreis, até onde a luz da nossa tocha mostrava”, disse Bass. “Vimos ferimentos e feridas terríveis. Mas eu acho que o aspecto mais assombroso e terrível desses lugares … é o modelo das gaiolas de granja. Havia fileira após fileira de minúsculas gaiolas, medindo cerca de um metro quadrado, pouco maior que o próprio comprimento dos animais. ”

“Foi tão triste”, Bass acrescentou. “Uma tragédia absoluta tratar animais dessa forma… e para que sejam um produto tão frívolo é simplesmente inaceitável.”

Muitos animais exibiam comportamentos repetitivos, como balançar a cabeça e andar de um lado para o outro, um sinal de estresse também conhecido como comportamento estereotípico, que Bass descreveu como sinais de “colapso mental”. Outros animais nem se mexiam.

“Eles estavam apenas sentados e deitados, parecendo fantasmas, como se não houvesse ninguém em casa”, disse Bass.

As raposas, os cães-guaxinins e os visons geralmente vivem apenas oito meses antes de serem mortas por sua pele, embora os animais reprodutores sejam mantidos vivos por muito mais tempo.

“Os animais reprodutores são mantidos vivos por anos e anos em pequenas gaiolas, e os que vivem apenas oito meses são, de uma forma perversa, os sortudos”, disse Bass.

Quando chegar a hora de os animais serem mortos, os operadores da fazenda usarão métodos questionáveis.

“Visons são normalmente envenenados com gás”, disse Bass. “Eles colocam talvez 10 ou 20 visons em uma caixa lacrada e a enchem com dióxido ou monóxido de carbono. E muitas vezes isso pode ser tão simples quanto uma caixa presa a um trator pequeno ou algo assim. Então eles são mortos pela fumaça.

“Raposas e cães-guaxinins são mortos por eletrocussão anal, o que é tão horrível quanto parece”, acrescentou Bass.

Esses métodos específicos são usados ​​para garantir que haja danos mínimos à própria pele, explicou Bass. “Não querem bater na cabeça deles … já que querem preservar a pele a mais intacta possível”, disse ela.

O que Bass e a equipe da HSI acharam particularmente surpreendente foi que essas fazendas alegavam ter altos padrões ambientais e de bem-estar animal, e até receberam certificação por meio de uma marca de peles que afirma produzir “peles éticas”.

“As fazendas de peles não podem se afastar de suas gaiolas e permanecer economicamente viáveis, então imaginaram esses esquemas de certificação, que recompensam realmente, realmente, as melhorias mínimas no status quo”, disse Bass. “Por exemplo, dar às raposas um pouco de tubo de plástico para mastigar ou um osso de plástico … aos olhos da indústria de peles, isso é bem-estar. Mas veterinários e especialistas em bem-estar animal em todo o mundo discordam totalmente de que, de alguma forma, isso que eles fazem seja humano. ”

A Finlândia não é o único lugar que cria animais para suas peles. Outros países europeus como Dinamarca, Polônia, Itália, França e Rússia também operam uma série de fazendas de peles. No entanto, a China é provavelmente o maior produtor de todos eles, ela cria e mata 45 milhões de visons, 16 milhões de cães-guaxinins e 15 milhões de raposas por ano, de acordo com a HSI do Reino Unido.

A criação de peles também acontece nos EUA. Há cerca de 290 fazendas ao longo dos 20 estados do país que estão envolvidos na criação de peles, os quais produzem cerca de 3,4 milhões de peles de vison a cada ano. Os maiores estados produtores de peles são Wisconsin e Utah.

Embora a criação de peles seja ilegal no Reino Unido, os fornecedores e empresas locais continuam a importar peles, o que ajuda a manter as fazendas de peles em todo o mundo nos negócios. Bass e a equipe da HSI UK atualmente fazem campanha para impedir a importação e a venda de peles no Reino Unido, da mesma forma como as proibições de pele foram implantadas em cidades americanas como Los Angeles e São Francisco.

Fotos: Claire Bass e a equipe da HSI-UK

Bass encontra esperança no fato de que um número crescente de pessoas está se conscientizando do problema, e optando por não comprar peles. No entanto, Bass adverte os consumidores para que não comprem a chamada “pele falsa” sem ter certeza do que é feita, já que algumas empresas têm sido descobertas usando peles reais e as comercializando como falsas.

“As pessoas precisam ficar atentas … mesmo que pensem que estão comprando peles falsas porque o produto é barato ou porque não diz com clareza na etiqueta que é pele de verdade”, disse Bass. “Só não durma no ponto acidentalmente para não sustentar o comércio de peles.”

Para ajudar a acabar com a indústria de peles no Reino Unido, você pode assinar esta petição. Você também pode descobrir mais sobre como evitar a compra acidental de peles aqui.

Por Elizabeth Claire Alberts / Tradução de Maria Leticia Guerra Machado Coelho

Fonte: The Dodo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.