Delegado pode prorrogar prisão de estudante que gravou estupro de cadela

Delegado pode prorrogar prisão de estudante que gravou estupro de cadela
Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Detido na segunda-feira (24), o estudante Emerson Fernandes Pedroso, poderá ter a prisão temporária prorrogada por mais cinco dias, em decorrência do inquérito que apura seu envolvimento no crime de maus-tratos a animais. Na última semana, um vídeo publicado no Facebook mostrava o rapaz “estuprando” uma cadela, encontrada, segundo ele, na rua.

De acordo com a Polícia Civil, o delegado responsável pelo caso, Gianmarco Paccola, ainda analisa a realização do pedido. Ele também deverá se pronunciar nos próximos dias sobre a investigação de uma rede de zoofilia, da qual Emerson faria parte. Ao Olhar Direto, o advogado, Rodrigo Lázaro, informou que um pedido de liberdade foi protocolizado na quarta-feira (26) e que um posicionamento do magistrado é aguardado ainda para hoje.

O jovem foi indiciado e se apresentou na Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), onde prestou depoimento por mais de duas horas. O vídeo no qual ele aparece causou revolta na sociedade e em diversas Organizações Não-Governamentais (Ongs) de proteção aos animais. Segundo a Polícia Civil, o suspeito tem quatro cães, dos quais dois já foram resgatados.

Dois cães, uma fêmea e um macho, foram apreendidos pela Dema. Os animais estavam sob os cuidados de uma pessoa, amiga da família do envolvido, que após saber das diligências ininterruptas realizadas pela Polícia Civil durante todo o feriado de sexta-feira (21) e sábado, para apreender os animais, entrou em contato com os policiais para entregar os cachorros.

Emerson chegou à delegacia em um veículo com duas marcas de bala. Ele afirma que tem sofrido ataques desde que as imagens de maus tratos se espalharam. Além dos tiros, o estudante teve sua casa invadida e saqueada e tem sido alvo de todo tipo de ataques virtuais, por meio das redes sociais.

Por André Garcia Santana

Fonte: Olhar Direto 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.