Mais de dois mil animais foram chipados pelo Zoonoses ao longo do ano em Uberaba, MG

Mais de dois mil animais foram chipados pelo Zoonoses ao longo do ano em Uberaba, MG

No ano de 2019, por meio de empresa terceirizada, 375 fêmeas (cadelas e gatas) foram esterilizadas em três mutirões de castração e 85 cães machos acabaram esterilizados por meio do método farmacológico. Mais de dois mil animais foram microchipados e registrados no cadastro do município. Essas ações fazem parte do Programa de Manejo Populacional de Cães e Gatos do Departamento de Controle de Zoonoses e Endemias da Prefeitura de Uberaba. O programa conta com a parceria do curso de Medicina Veterinária da Uniube e com o Hospital Veterinário de Uberaba.

Lara Rocha Batista, chefe do Departamento de Controle de Zoonoses e Endemias, destacou que o programa é de extrema importância, levando em conta a questão de bem-estar animal e de saúde pública. “Quando a gente faz a castração desses animais, a gente promove o controle populacional, dando equilíbrio à população que existe no município. E quando a gente faz a microchipagem desses animais, o registro, temos o conhecimento sobre a dinâmica dessa população animal e esse conhecimento nos auxilia norteando o serviço a ser realizado para esses animais”, explica Lara.

Ainda dentro das ações voltadas para o bem-estar animal, um novo Centro de Procedimentos do Departamento de Zoonoses foi anunciado em setembro, durante audiência pública de prestação de contas do segundo quadrimestre de 2019, na Câmara Municipal. “Demos início ao planejamento da reforma do canil, da Seção de Controle de Animais de Pequeno Porte do departamento e a construção do novo bloco, onde será a sala cirúrgica, onde realizaremos a partir do próximo ano a castração dos animais. Em breve, abriremos novo cadastro para que os tutores possam solicitar a castração gratuita de seus animais e, assim que tivermos as novas datas, faremos a divulgação para que a população participe”, relata a chefe de departamento.

O local será construído para a realização de procedimentos ambulatoriais e de castração cirúrgica, com salas de pré e pós-operatório, leitos de observação, com mais baías para receber animais com suspeitas de contaminação ou doenças contagiosas, assim como revitalização das já existentes.

Fonte: JM Online

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.