Animais vivem em situação de abandono em Rio Branco — Foto: Reprodução

Quase 10 mil animais vivem abandonados nas ruas de Rio Branco (AC), aponta Departamento de Zoonoses

Quase 10 animais, entre cães e gatos, vivem abandonados nas ruas de Rio Branco. Uma reportagem da Rede Amazônica Acre percorreu as ruas da capital acreana para mostrar a situação desses animais.

Os dados são do Departamento de Controle de Zoonoses da Secretaria Municipal de Rio Branco. Com as ações que o departamento faz, os números têm reduzido.

Segundo o diretor do departamento, Everton Arruda, o órgão tem uma parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e, juntos, fazem vistorias com relação aos maus-tratos e abandono.

“São ações como esterilização e cirurgias nos animais. Recolhemos eles, levamos para o departamento e, se tiverem com alguma doença, a gente trata e logo em seguida fazemos a castração. Logo depois da cirurgia, disponibilizamos para adoção”, complementou.

Animais são encontrados em diversas ruas da capital acreana — Foto: Reprodução
Animais são encontrados em diversas ruas da capital acreana — Foto: Reprodução

Para fazer uma denúncia de abandono e maus-tratos, basta ligar no (68) 3228-5765 ou no (68) 3228-2894. O diretor alertou ainda que, quando alguém é flagrado maltratando um animal, é aplicada uma multa e registrado um boletim de ocorrência.

“Os maus-tratos engloba várias coisas. Por exemplo, o abandono é uma forma de maus-tratos e, dentro da lei, está claro de que se a pessoa for pega abandonando, deixando caixas com animal e filhotes, responde criminalmente pelo ato”, frisou.

Arruda lembrou ainda que alguém que deseja ter um animal em casa, precisa estar consciente da responsabilidade, que, além de cuidados em geral, engloba também a questão financeira.

“Animal tem um custo. Hoje tem que ter a carteira de vacinação em dia, levar sempre ao veterinário, onde vai tomar um banho periodicamente, fazer passeios com ele. Os animais precisam passear porque a falta disso gera ansiedade”, concluiu.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.