Ave da espécie atobá-grande é solta em praia de Alagoas após meses de reabilitação

Ave da espécie atobá-grande é solta em praia de Alagoas após meses de reabilitação
Soltura do animal em praia de Alagoas foi divulgada no Instagram do Instituto Biota de Conservação. — Foto: Reprodução

Uma ave da espécie Atobá-grande, com o nome cientifico de “Sula Dactylatra” foi devolvida à natureza nesta quinta-feira (7) em uma praia de Alagoas depois de 6 meses na reabilitação. O local exato da soltura não foi informado.

Segundo o Instituto Biota de Conservação, o animal havia sido resgatado no dia 6 de agosto de 2018 na praia do Gunga, no município de Roteiro. A causa do resgate não foi informada.

Ele foi levado para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Biota, em Coruripe, onde ficou 185 dias até se recuperar.

A soltura do animal chegou a ser divulgada no Instagram e causou comoções nos seguidores do Instituto.

“Só eu percebi que ele voltou para agradecer e depois foi embora?”, comentou uma seguidora.

View this post on Instagram

Hoje foi dia de voltar pra casa! 😍 Após 185 dias em reabilitação esse atobá-grande (Sula dactylatra) foi devolvido à natureza.🐦🌊 A ave havia sido resgatada em 06/08/2018 na praia do Gunga e desde então estava recebendo cuidados em nosso Cetas. Após estar completamente recuperado, o animal recebeu alta médica e hoje pode realizar seu primeiro teste de vôo. Ele não foi mais reavistado na costa o que é um bom sinal de que conseguiu seguir seu vôo. 🙌 Parabenizamos a toda a nossa equipe pelo empenho na reabilitação do animal. 🤝😀 . ☀Apoio: #PGS @fundacaotoyotadobrasil @sosmataatlantica @semarhal @prefeiturademaceio @copra_alimentos @icmbio_costadoscorais . #alagoas #brasil #brazil #sealovers #marinebirds #atobá #rehab #marine #biologia #biology #medvet #biotamar O PMP é um projeto de mitigação exigido pelo licenciamento ambiental federal conduzido pelo IBAMA.

A post shared by Instituto Biota de Conservação (@institutobiota) on

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.