Aves mudam comportamento durante quarentena na Nova Zelândia

Aves mudam comportamento durante quarentena na Nova Zelândia

Reconhecida pela preservação do meio ambiente e por sua fauna abundante e peculiar, a Nova Zelândia viveu um fenômeno muito interessante da natureza durante o recente período de lockdown (restrição de circulação). Enquanto a população ficou dentro das suas casas por semanas por causa da quarentena, curiosos pássaros locais mudaram de comportamento e começaram a aparecer nas cidades e até nas casas das pessoas, levando seu canto para a vida dos neozelandeses.

Durante o bloqueio de nível 4 da Nova Zelândia, que incluiu medidas mais restritivas de circulação, um importante trabalho de conservação para proteger espécies nativas do país continuou a ser realizado. Para manter a sobrevivência da espécie tūturuatu, uma das mais ameaçadas de extinção, cinco pássaros jovens, que são parte dos 250 restantes no país, foram autorizados a viajar de avião para uma missão considerada essencial pelo Departamento de Conservação.

Os pássaros voaram rumo à capital, Wellington, para o santuário ecológico Zealandia, uma das maiores atrações turísticas no país e o primeiro ecossistema urbano totalmente vedado do mundo, que tem o objetivo de restaurar ecossistemas e que já reintroduziu 18 espécies de animais selvagens nativos de volta à área.

Nova rotina

Nesse refúgio de 225 hectares, novo habitat dos tūturuatu, percebeu-se que a natureza começou a reviver. Os animais ali estabeleceram uma nova rotina e ficaram mais atrevidos. Sem ninguém por perto, passaram a percorrer inúmeros caminhos de reserva da vida selvagem. Quando um guarda-florestal estava por perto cumprindo seus deveres, os animais, curiosos, aproximavam-se e até pousavam no guidão dos seus quadriciclos, situação nunca vista antes. Esse fenômeno também foi percebido por toda a Nova Zelândia.

Kiwi, o mais famoso pássaro neozelandês. Crédito: Divulgação

A guardiã-chefe do Zealandia, Ellen Irwin, sugere que não necessariamente só os pássaros tenham mudado de comportamento, mas também as pessoas. “Com a vida mais silenciosa e lenta, é possível que as pessoas também estejam desacelerando e percebendo mais os pássaros e a natureza. Talvez eles tenham estado sempre por lá, mas só agora conseguimos vê-los”, comenta Irwin.

A Nova Zelândia abriga 168 espécies de aves, sendo 93 delas nativas. Um quarto dos pássaros por lá não são encontrados em nenhum outro lugar do mundo, reforçando a singularidade da fauna do país. O kiwi é o pássaro mais famoso e também o mais incomum e peculiar. E para garantir a sobrevivência dele e de todas as espécies raras e únicas, além das aves ameaçadas de extinção, o país conta com o trabalho do Departamento de Conservação da Nova Zelândia (DOC), líder mundial em ciência da recuperação de aves.

Fonte: Revista Planeta

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.