Foto do suposto cão que teria sido jogado do segundo andar de universidade, está nas redes sociais - Reprodução Redes Sociais

Cachorro que teria sido jogado de prédio de universidade no RJ causa comoção na internet

O sumiço de um cão vira-lata, com especulações sobre sua morte, depois de ter sido supostamente jogado da janela do segundo andar de uma faculdade no Sul do estado, está causando comoção nas redes sociais. Estudantes que dizem ter presenciado a cena, relatam pela internet, que dois funcionários do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), localizada na Rua Vereador Pinho de Carvalho, no Centro, teriam tentado expulsar o animal – que tinha entrado numa sala de aula, após ter seguido um dos alunos. Como não conseguiram, acabaram jogando-o de uma altura superior a 10 metros.

Ainda segundo testemunhas, mesmo ferido e sangrando, o cão, assustado, teria fugido para fora da instituição. As especulações de que o cachorro teria morrido, gerou centenas de postagens em diversos canais da internet, cobrando punição para os funcionários. “Vários cães vivem no pátio da universidade, sempre harmonicamente conosco (estudantes). Fizeram uma barbaridade”, lamentou Maria Helena Bezerra Alves, 23 anos.

Em nota (ver o documento da íntegra mais abaixo), o UBM informou que o caso está sendo apurado e, “se necessário”, serão tomadas as devidas providências junto aos responsáveis. No texto, a direção declara ser “contra qualquer tipo de maus-tratos aos animais e repudia o suposto ato”.

Jefferson Dos Santos, foi um dos que comentaram o assunto na internet: “Um absurdo, esperamos sim apuração dos fatos, sendo eles confirmados, não espero menos que atitudes enérgicas da instituição”, postou.

MORTE – No dia 13, um cachorro morreu, depois de ter sido submetido espancado pela tutora, em Valença, também no Sul Fluminense. Uma idosa, de 60 anos, que seria a tutora do animal, foi levada para a 91ª DP para prestar esclarecimentos.

A idosa, de 60 anos, assumiu ter batido nele com um chinelo e foi levada para a 91ª Delegacia de Polícia (Valença), onde foi autuada por maus tratos a animais e liberada.

ÍNTEGRA DA NOTA DO UBM

“O UBM vem a público notificar que, mediante constatações de maus tratos a um cachorro dentro da instituição, o caso está sendo apurado e, se necessário, serão tomadas as devidas providências junto aos responsáveis. Reiteramos ainda que o UBM é contra qualquer tipo de maus tratos aos animais e repudia este ato. No mais, a instituição se coloca à disposição para quaisquer dúvidas e esclarecimentos”.

Por Francisco Edson Alves

Fonte: O Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.