Cães espancados são resgatados por Comissão da OAB/AL

Cães espancados são resgatados por Comissão da OAB/AL

Três cães que estavam sendo vítimas de maus-tratos foram resgatados pela Comissão de Bem Estar Animal da OAB/AL e entregues para o Projeto Acolher. O agressor passará por uma audiência na OAB para se responsabilizar pelos danos causados e o caso também será encaminhado à polícia para lavratura do TCO e encaminhado ao juizado criminal.

“O animal mais espancado era uma cadela, encontrada acuada chegando a urinar com a aproximação do denunciado. Os outros dois estavam repletos de marcas no corpo, abaixo do peso, com carrapatos e com forte odor que pressupunha falta de higiene com os animais. O local tinha ração espalhada no chão molhado, sem sinais de água para os animais beberem”, explicou Rosana Jambo, presidente da Comissão.

A Comissão recebeu um vídeo com a denúncia que circulava no Grupo Propet, onde protetores se uniram para cobrar providências das autoridades. De acordo com testemunhas e provas em três vídeos de dias diferentes, os espancamentos eram constantes, em horários diversos.

A Comissão, com apoio de ativistas e de policiais de Radiopatrulha, acionou o Batalhão de Polícia Ambiental, obtendo todo suporte na averiguação do crime de maus tratos contra os animais. No local, foram observadas as condições precárias, relatos de populares de que os animais eram surrados todos os dias e também a confissão do denunciado de que açoitava os cães.

Rosana Jambo disse que foi observado, e também assumido pelo denunciado, que o animal mais espancado era deixado preso em uma corda que não lhe permitia sequer se deitar, dada a curta extensão. Ainda de acordo com ela, vizinhos que vinham testemunhando as agressões ficaram aliviados com a retirada dos cães da situação de violência, sabendo que todos terão a chance de serem adotados responsavelmente, cuidados e respeitados em uma nova vida livre de agressões.

O local onde os animais estavam não foi informado.

Fonte: Cada Minuto (com Ascom/OAB)

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.