Centro de Zoonoses de Cruzeiro do Sul (AC) castra cadelas para controlar número de cachorros nas ruas

Centro de Zoonoses de Cruzeiro do Sul (AC) castra cadelas para controlar número de cachorros nas ruas

As cadelas encontradas nas ruas de Cruzeiro do Sul são capturadas pelo Centro de Controle de Zoonoses e submetidas ao processo da castração. Após isso, as fêmeas são doadas se aparecerem interessados, ou devolvidas às ruas, mas sem risco de ficarem prenhas novamente.De acordo com o coordenador do centro, José Carlos, a intensão é pelo menos controlar o número de cachorros nas ruas, já que o órgão não tem a finalidade de permanecer com os cães em cativeiro. “A nossa missão é capturar os animais e vacinar, para que eles não transmitam raiva e outras doenças aos humanos. O que a gente ainda pode fazer é castrar as fêmeas para que não aumente a população nas ruas”, esclarece.

José Carlos reconhece o risco de acidentes todos os dias com o número de cachorros soltos em Cruzeiro do Sul. Ele alerta que em muitos casos, os animais têm dono, e possíveis vítimas de acidentes precisam tentar identificar os proprietários para responsabilizá-los.

Os acidentes principalmente envolvendo motociclistas que colidem com cães nas ruas de Cruzeiro do Sul são tão comuns, que nem mesmo o coordenador do centro conseguiu se livrar. “Eu estava na rua da minha casa, quando um cachorro apareceu do nada e bateu na moto, na queda eu sofri uma lesão no ombro que há dois anos tento me recuperar. Procurei o dono do cachorro, mas não encontrei. É uma situação que infelizmente temos que conviver”, lamenta.

Os cachorros que são recolhidos com doenças são tratados e vacinados, em seguida aguardam um período para doação, caso contrário, eles são soltos nas ruas novamente. Mas o número de doações tem aumentado, segundo o coordenador do centro. “Tem muita gente que está vindo adotar, só hoje fiz cinco doações. Caso não aconteça uma adaptação, a pessoa pode trazer o animal de volta”, ressalta.

Fonte: Juruá Online via Acre Notícias 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.