Como o Farm Sanctuary ajudou o movimento vegano a crescer nos EUA

Como o Farm Sanctuary ajudou o movimento vegano a crescer nos EUA
Foto: Reprodução / ABC News

Muito antes dos restaurantes veganos criarem raízes nas principais cidades dos EUA, Gene Baur vendia cachorro-quente vegano em concertos da banda Grateful Dead para conseguir dinheiro para o primeiro santuário de animais de fazenda do país.
Fundado em 1986, o Farm Sanctuary agora abriga mais de 800 vacas, porcos, bodes, ovelhas e galinhas em suas terras de 175 acres em Watkins Glen, Nova York. Ao invés de serem criados para matadouros, esses animais recebem cuidados tipicamente destinados para animais de companhia.

“No Farm Sanctuary, animais são amigos, não comida. Eles conseguem viver suas vidas, ele aproveitam suas vidas”, disse Baur.

Além de fornecer comida e abrigo aos animais no Farm Sanctuary, Baur defendeu mudanças legislativas para sistemas de confinamento de animais de fazenda na Califórnia e escreveu vários livros sobre os direitos dos animais, incluindo “Living the Farm Sanctuary Life” (Vivendo a Vida do Farm Sanctuary).

“Eles não são nada diferentes dos gatos e cães quando você conhece estes animais”, disse Baur.

A organização ajuda animais que foram atingidos por desastres naturais ou escaparam de matadouros. Uma ovelha descartada chamada Hilda foi o primeiro animal a ser criado no Farm Sanctuary, e milhares de outros desde então seguiram seus passos.

“Quando há animais que estão lutando por suas vidas, frequentemente o que acontece é que a comunidade do Farm Sanctuary se junta e quer que eles vão a um lugar seguro”, ele explicou.

Entre os apoiadores famosos do Farm Sanctuary estão o comediante Jon Stewart e sua esposa Tracy, que planejam abrir seu próprio santuário animal de 45 acres e um centro de educação de fazenda em New Jersey.

Além de mudar as práticas das fazendas, o Farm Sanctuary encoraja a indústria alimentícia a se mover para mais opções baseadas em vegetais, desde as “carnes sem carne” a uma variedade de laticínios de origem vegetal.

“Você vai a um mercado conhecido e você encontra leite de soja, de amêndoas, de cânhamo, de coco e de castanha de caju”, ele disse.

Baur disse que está orgulhoso do progresso do movimento vegano nas últimas três décadas, desde o cachorro-quente “hippie” nos anos 80, até o número crescente de restaurantes veganos brotando por todo o país nos últimos anos.

Por Michael Koenigs e Jeesoo Park / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: ABC News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.