Humilhação e constrangimento

Por Leonardo Maciel 

Bem possível que todos nós já tenhamos passado por situações de humilhação e constrangimento, particular ou público, e sabemos o quão profundamente afeta e marca, às vezes indelevelmente. Os motivos que levam a uma situação de constrangimento são parâmetros atribuídos à espécie humana, ou seja, a exposição de forma vexativa de uma característica, a maximização de um erro cometido ou o tolhimento de um desejo.

Não é usual que as situações de constrangimento sejam atribuídas ou reconhecidas em outras espécies. A um é cão que permanece acorrentado não é atribuído o conceito de “humilhado”, a uma ave engaiolada não é reconhecido o “tolhimento à liberdade” e tampouco a um animal exposto em um circo é reconhecido o “constrangimento público”.

A prepotência da nossa espécie, ao se arvorar proprietária das outras vidas, e torná-las menores em importância, limita os conceitos do que lhes seja prejudicial. Apenas a nós mesmos concedemos o direito de sofrer e fechamos os olhos ao sofrimento alheio. Criamos mecanismos para justificar nossas atitudes como negar aos outros o entendimento , ou seja , achamos que os animais não têm consciência do que lhes acontece e portanto sofrem menos ou não sofrem.

Como médico veterinário, vejo uma sutil mudança no dia a dia, quando mais e mais pessoas procuram ajuda para seus tutelados com as observações de que o animal está ansioso, ou tem dificuldades para dormir e anda à noite, ou parece deprimido. Longe de sugerir uma transferência de sintomas ou interpretação equivocada, este fato pode ser uma evolução no nosso convívio porque talvez estejamos começando a entendê-los melhor ou percebê-los como na verdade são.

Obviamente, antes de diagnosticar uma alteração mental ou “psicológica”, há que se pesquisar e descartar qualquer possibilidade de alteração física e o diagnóstico de uma alteração mental é muitas vezes feito por exclusão. Limitações relativas à incompetência. Sim, os animais podem ter depressão, ansiedade, insatisfação profunda e muitas necessidades que não somente alimento, água e casa. Necessário parar de olhar para o próprio umbigo e perceber que talvez não conheçamos tão bem aqueles seres que dividem a vida conosco, porque sempre os temos olhado com nossos olhos de seres mais importantes e inteligentes do planeta.

Humilhação e constrangimento são características que gostaríamos de ver extintos em nossa civilização, mas nós mantemos estas características presentes em nosso meio porque não nos importamos que elas existam na sua essência e sejam exercidas em outros seres , na maior parte indefesos quanto a isto.

Não existe ninguém meio honesto, ou meio leal, ou meio justo. Sim ou não. Não existe como respeitar algumas vidas e outras não, humilhar um ser e respeitar outro porque talvez a humilhação seja dolorida para quem a sofre, mas poder ser uma característica muito mais patológica para quem a exerce.

A humilhação e o constrangimento aos quais expomos as outras consciências do planeta nos diminui e nos atrasa. A vergonha é nossa porque expõe visceralmente um defeito grave que os animais dos quais gostamos de nos diferenciar não possuem. O comportamento interespécie deles é bem mais honesto do que o nosso. Talvez hora de olhar e aprender um pouco. 


{article 957}{text}{/article}

Olhar Animal – www.olharanimal.org


 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.