Protetores de animais da UFPB se reúnem em evento para discutir o combate ao abandono

Protetores de animais da UFPB se reúnem em evento para discutir o combate ao abandono
Foto: Angélica Gouveia/Ascom UFPB

Apoiado pela Reitoria da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), o evento “Controle populacional de animais em situação de abandono: uma ação necessária”, realizado pelo projeto de extensão Animais Comunitários da UFPB em parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam) da Prefeitura de João Pessoa, aconteceu na manhã desta quarta-feira (10), no auditório da Superintendência de Educação à Distância (Sead).

O evento reuniu na plateia protetores independentes de animais da UFPB e interessados em dialogar sobre a situação dos animais abandonados na instituição, principalmente sobre o controle populacional e o bem-estar animal, como representantes do Ministério Público Federal.

Estiveram presentes no evento a Vice-reitora da UFPB Liana Filgueira, a Pró-reitora de Extensão Berla Moraes, a Coordenadora do Projeto de Extensão Animais Comunitários, Edivânia Almeida, e o Coordenador de Bem-estar Animal da Prefeitura de João Pessoa, Ítalo Oliveira, que ministrou a palestra principal do evento sobre controle populacional de animais.

Ítalo Oliveira apresentou um pouco do trabalho que está sendo realizado pela coordenação que gerencia a respeito do bem-estar e direitos dos animais na cidade de João Pessoa, com enfoque no trabalho de controle populacional e abandono de animais.

Falou de ações como o programa Banco de Rações que distribui ração para os cuidadores de animais cadastrados juntos à Semam, falou também de parcerias com instituições de ensino privadas, de ações de fiscalização contra maus tratos a animais, da clínica veterinária municipal, do Castra-móvel e de outros projetos.

Ele destacou a importância da discussão sobre bem-estar animal no ambiente universitário.

“A educação, a informação é uma ferramenta extremamente importante pra gente unir todos em um só objetivo. Então essa é uma ação que a gente só consegue efetividade se a gente conseguir trazer a participação de todos, poder municipal, a sociedade e as instituições”, disse Ítalo Oliveira.

Para a Pró-reitora de extensão, Berla Moraes, uma das diversas atribuições da UFPB é com a causa animal, que conta com a atuação dos protetores que se sensibilizam e realizam diversas ações para garantir a sobrevivência dos animais.

Para ela, a gestão não pode ficar alheia a essa situação, e por isso a universidade está abrindo portas de comunicação para pautar ações efetivas, eficazes, em diálogo com os protetores, e outras instâncias como a prefeitura municipal e o Ministério Público Federal.

“Diante da situação de abandono, a UFPB é um lar provisório para esses animais, o que a gente espera é que eles tenham um lar saudável, com pessoas que os amem e cuidem, mas antes disso temos um trabalho longo que exige uma série de questões, e o que estamos fazendo aqui é abrindo as portas da Universidade para conversar sobre a temática, pensar em alternativas e articular em conjunto para que possamos avançar na discussão, conscientizar a população paraibana e inserir outros atores importantes”, disse a Pró-reitora.

O evento contou ainda com uma apresentação de uma proposta de realização de censo dos animais da UFPB, realizada pela estudante de biologia Beatriz Gomes, estagiária do Laboratório de Mamíferos do Departamento de Sistemática e Ecologia (CCEN/UFPB); seguida de um momento de debate com o público presente.

A professora Helen Silva Gonçalves, do Departamento de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), é uma das protetoras de animais na UFPB.

Para ela foi muito importante fazer parte dos diálogos do evento e destacou a importância do apoio da Reitoria da Universidade para tratar o assunto de maneira responsável e cuidadosa, e com suporte do governo local para a possibilidade de castração e de cuidados.

Semam/PMJP e UFPB deram início aos preparativos para realização de estudos e planejamento para ação de esterilização no Castra-móvel da PMJP, a ser realizada no Campus I da UFPB.

De acordo com o coordenador de Bem-estar Animal da PMJP será realizada uma visita técnica ao campus para mapeamento dos animais do campus universitário por setores, com levantamento fotográfico dos animais e dos protetores que cuidam de cada grupo.

Estão previstas ainda reuniões com os protetores de cada área mapeada para formulação de estratégia específica para realização de todo o trabalho, desde a captura dos animais, castração, até a devolução, incluindo campanha para adoção definitiva dos animais. A perspectiva é que em junho se inicie o trabalho de castração.

De acordo com Edivânia Almeida, Coordenadora do Projeto Animais Comunitários, ao fim do encontro foi proposta a criação de fórum para os protetores de animais.

Combate ao abandono

Segundo Ítalo Oliveira, o abandono de animais é uma problemática grande na cidade, ainda que seja crime previsto na lei de crimes ambientais 9.605/98.

A população pode participar do combate ao abandono de animais por meio de denúncia anônima nos canais oficiais da Semam pelo (83) 3218-9208 ou pelo whatsapp da Coordenação de Bem-estar Animal da PMJP (83) 981685898.

Fonte: Paraíba Online