Vídeo: PM é chamada para conter cachorro e dispara 2 vezes contra o animal

Vídeo: PM é chamada para conter cachorro e dispara 2 vezes contra o animal

Uma ocorrência policial acabou com um cachorro baleado duas vezes, em Samambaia Sul, na manhã desta terça-feira (12/2). O autor dos disparos é um policial militar, que foi chamado para conter o cão, que havia se soltado e mordido o vizinho do animal momentos antes.

Uma moradora gravou o momento do disparo. No vídeo, é possível ver o cachorro saindo de uma casa pelo vão do portão de ferro, e andar ao lado dos militares. Quando o animal se aproximou de um dos soldados, o disparo foi efetuado.

Foram disparados dois tiros, mas na gravação só um deles é visível. Sobre o segundo, a PMDF ainda não se pronunciou. O cachorro, segundo a corporação, era um pit bull.

Em nota, a PMDF contou que “o animal que era de grande porte e avançou contra a equipe policial que teve de efetuar dois disparos para evitar o ataque e resguardar a integridade física da equipe e das pessoas que estavam próximas, inclusive crianças que se encontravam nos arredores”.

“Os policiais militares agiram em estado de necessidade própria e de terceiros, e, infelizmente, tiveram que efetuar disparos contra o animal, uma vez que ele se encontrava muito agressivo e poderia atacar as crianças e a própria equipe”, afirmou a corporação.

Ataque vizinho

Mais cedo, por volta das 8h desta terça-feira (12/2), o Corpo de Bombeiros foi acionado para atender a vítima dos ataques do pitbull. O homem sofreu cortes nas mão, braços e pernas.

Os bombeiros contaram que a vítima foi transportada para o Hospital Regional de Taguatinga. Em outro vídeo, é possível ver o vizinho do dono do cachorro sair a passos lentos, apoiado pelos militares, com faixas na cabeça e braços.

A Associação Protetora dos Animais do DF (ProAnima) conta que casos como este não são raros. Entretanto, é preciso avaliar as circunstâncias em que o tiro foi disparado para considerar se houve legítima defesa.

Segundo a veterinária da ProAnima Kássia Vieira, cachorros ferozes costumam ter essa personalidade por falta de socialização. “Esses animais geralmente são animais que não são socializados com outros cães, que ficam presos por muito tempo, que não são bem socializados com pessoas. O que aconteceu para ele chegar aí não sabemos, mas algo aconteceu, porque esse não é o estado normal de nenhum cachorro”, afirma.

Por Cézar Feitosa

Fonte: Correio Braziliense


Nota do Olhar Animal: Por que não foi chamada a Polícia Ambiental ou o CCZ, mais preparados e equipados para este tipo de situação? Mais uma vez a falha do Poder Público acaba por vitimar um animal.