Câmeras de segurança flagram homem soltando cachorro para atacar gata comunitária no Amapá

Câmeras de segurança flagram homem soltando cachorro para atacar gata comunitária no Amapá
"Malhadinha", como era chamada, não resistiu ao ataque - Foto: Reprodução

Na última sexta-feira, (23), câmeras de segurança flagraram um homem soltando o próprio cachorro para atacar uma gata comunitária. O crime aconteceu por volta das 22h20 da noite, em frente à praça do bairro Alvorada. De acordo com testemunhas, o homem teve a intenção de ferir o animal. A gata carinhosamente chamada de “Malhadinha”, que era alimentada pelas pessoas do bairro, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

“Eu estava mexendo no meu carro, ouvi um gato e uns latidos, de repente olhei e percebi o homem com o cão balançando algo, e deduzi que era o gato. Ele estava desconfiado olhando para os lados, e em momento algum quis tirar o animal de perto ou teve a intenção de socorrer a gata”, diz Bruno Castro, 34 anos, morador do bairro.

Fiz questão de que ele soubesse que estava sendo visto. Ele alegou que a guia do cão escapou da sua mão, mas eu vi e acusei de imediato que não foi assim. Um ato de pura crueldade, desumano com o animal que não fez nada a ele.

– Bruno Castro

Nas câmeras de segurança é possível identificar o momento exato em que a gata corre para fugir do cachorro, mas assim que ele sai da guia avança em direção a ela.

Outro vizinho que também chegou a ver a ação, garante que nunca viu algo parecido. Alexandre Smith, 46 anos, é voluntário em uma ONG de proteção animal, e conta que estava no quarto quando ouviu o barulho e imaginou que fosse briga entre animais de rua.

“Bateu um desespero e eu saí correndo. Já cheguei gritando com o cara e assim que vi parei, me assustei com o cachorro que ainda estava segurando a gatinha na boca. Comecei a gritar com ele para fazer o cachorro largar, ele disse que não conseguia. Segundo ele, a gata tinha avançado no cão e não foi possível conter a reação. Vendo os vídeos pudemos confirmar que era tudo mentira, ele soltou e instigou o cachorro para avançar”, detalha Alexandre.

“Nunca vi uma cena daquelas, estou muito assustado e muito triste pela gatinha. Ela andava por aqui há mais de 1 ano, cuidávamos com muito carinho, da forma que era possível. Quem se diverte criando um animal para ser violento, vê ele agir dessa forma e não faz nada, é capaz de tudo“, assegura o voluntário da causa.

A denúncia foi feita na Delegacia Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente (DEMA) pela ONG de proteção animal Gateiros Tucujús, que prestou assistência às testemunhas. De acordo com a Vice-presidente da Organização, casos como esse não são raros de acontecer. “A Malhadinha não teve a oportunidade de ter um lar, mas recebia diariamente alimento e carinho dos vizinhos de onde ela escolheu viver e foi acolhida. Ela teve a vida interrompida, assim como as dezenas de pedidos de ajuda que recebemos diariamente, quando não conseguimos chegar a tempo para resgatar ou dar qualidade de vida”, afirma Jéssica Sodré.

A gata era alimentada por moradores do bairro Alvorada – Foto: Reprodução

Jéssica responsabiliza a falta de políticas públicas pela maioria dos casos de violência contra os animais. “A ausência de organização para a causa animal está adoecendo as poucas pessoas que se dedicam de forma voluntária para amenizar a dor dos animais. Eles se multiplicam desordenadamente nas ruas. Hoje, o controle populacional desses animais se resume a maus-tratos que os levam à mortes precoces, além do descaso do poder público, ainda temos que lutar contra a maldade e a falta de empatia das pessoas”.

A crueldade vai além da vida interrompida, abala a saúde mental dos que buscam cuidar dos animais.

– Jéssica Sodré 

Veja as imagens das câmeras (CENAS FORTES)

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Gateiros Tucujús (@gateirostucujus)

Por Laura Machado

Fonte: Café com Notícia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.