Égua prenha é sacrificada em rua de Dourados (MS) e gera revolta em protetores de animais

Égua prenha é sacrificada em rua de Dourados (MS) e gera revolta em protetores de animais

Uma égua prenha foi sacrificada na tarde de ontem (23), na rua Lindalva Marquês Ferreira, no Jardim Novo Horizonte, em Dourados, após enroscar a pata em um bueiro e sofrer fratura. O corpo do Bombeiros foi acionado e desenroscou a pata do animal, que estava quebrada, o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) foi chamado e optou por sacrificar a égua.

A eutanásia ocorreu na rua e o corpo não foi retirado em seguida, ficando exposto por várias horas na chuva. O animal foi retirado por um caminhão da prefeitura na manhã de hoje (24), por volta das 9h.

Nas redes sociais, pessoas que fazem parte de grupos de proteção aos animais ficaram revoltados e questionaram o ato do CCZ e também do tutor da égua. A ativista da causa animal, Gisele Pizzini, que lidera um grupo de proteção em Dourados, fez diversas indagações. Veja o post:

Por Cristina Nunes

Fonte: Dourados Agora


Nota do Olhar Animal; A lógica perversa de quem explora equinos é a de que, se não estão aptos para o trabalho, têm que exterminar para não dar prejuízo com tratamentos e aposentadoria. Não há qualquer consideração pela vida do animal. Neste caso, com o agravante da égua estar prenhe e, portanto, duas vidas foram vergonhosamente ceifadas. Uma pata quebrada está infinitamente longe de ser um motivo para submeter um animal à eutanásia. Basta ver os cuidados dispensados a animais em condições até piores abrigados por santuários como o Filhos de Shanti e o Abraço Animal, quem mantém os animais inclusive sob tratamento fisioterápico. Incrível que algo como o que foi feito pelo CCZ de Dourados com essa égua não receba sanções penais da Justiça.