Medicamentos expostos de forma irregular na clínica. (Foto: Divulgação/Procon)

Falso veterinário tem clínica interditada e vai responder por maus-tratos

Um falso veterinário de Sidrolândia, cidade a 70 quilômetros de Campo Grande, vai responder pelos crimes maus-tratos a animais e exercício ilegal da profissão em uma clinica veterinária clandestina do município. O local foi interditado durante operação do Procon/MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) na tarde desta segunda-feira(26).

As irregularidas começavam desde o nome. A clinica veterinária era denominada Clínica Cat & Dog, mas na fachada exibia o nome “Late e Mia”. No local o proprietário não apresentou um documento comprobatório de conclusão de curso superior em Medicina Veterinária, mas alegou que não possuía apenas o registro no órgão competente (CRMV/MS). Os cartões de visita da clínica clandestina apresentavam carimbo onde consta “Dr. Antonio”, apesar da inexistência de comprovação da formação profissional.

Diante da situação, o homem foi conduzido à delegacia de policia para prestar esclarecimentos. A clinica clandestina também não possuía a documentação necessária ao funcionamento como alvará de localização e funcionamento, registro de pessoa jurídica, anotação de responsabilidade técnica de médico veterinário. Também Não existia informação de profissional habilitado junto ao CRMV.

Além das irregularidades no funcionamento, foram encontrados inúmeros medicamentos e suplementos com prazo de validade expirados, alguns desde maio de 2015. Com vencimento em 2016 estavam expostos 63 comprimidos e embalagens de antitóxico. Ainda entre produtos vencidos expostos à venda, foram encontrados seis embalagens com 360 comprimidos de suplemento mineral e vacinas antirrábicas. Também haviam medicamentos fracionados para fenda cujas embalagens se encontravam abertas no balcão.

Os fiscais também concluíram que mesmo não tendo autorização para a prática, no local eram comercializados e aplicados irregularmente nos animais e suplemento vitamínico. Na clínica também eram comercializados produtos importados, com venda proibida no Brasil, cujos rótulos não continham tradução para a língua portuguesa. Houve flagrante, também, de produtos impróprios para consumo por estarem com embalagens rompidas ou danificadas, o que os expunha à contaminação, entre os quais antissépticos e medicamentos diversos, pomadas e mineralizantes.

O responsável pelo estabelecimento foi autuado por exercício ilegal de profissão, ter em depósito irregularmente medicamento controlado, maus-tratos a animais, além das medidas administrativas cabíveis da vigilância sanitária e CRMV. Ação realizada no município pelo Procon/MS, atendeu a solicitação do próprio CRMV/MS (Conselho Estadual de Medicina Veterinária).

Por Adriano Fernandes

Fonte: Campo Grande News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.