Oficial de Justiça, militar e outras 45 pessoas são flagradas em rinha de galo com apostas de até R$ 50 mil, em Bonfinópolis, GO

Oficial de Justiça, militar e outras 45 pessoas são flagradas em rinha de galo com apostas de até R$ 50 mil, em Bonfinópolis, GO
Rinha de galo montada em Bonfinópolis. — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Um oficial de Justiça, um militar do Exército e outras 45 pessoas foram flagradas em uma rinha de galo em Bonfinópolis, na Região Metropolitana de Goiânia. Todos assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelos crimes de apostas irregulares e maus-tratos e deverão comparecer a uma audiência na Justiça. De acordo com a Polícia Militar, as apostas variavam de R$ 100 a R$ 50 mil.

A rinha funcionava em uma chácara e tinha uma estrutura de alvenaria circular, onde aconteciam até três lutas de galo ao mesmo tempo. A polícia acredita que no sábado (28), quando foi feita a autuação, estavam no local cerca de 80 pessoas, mas muitas fugiram ao perceberem a chegada das equipes.

“Quando chegamos, algumas pessoas tentaram fingir que eram parentes de policiais, políticos, como forma de intimidar as equipes, mas nada disso se confirmou. No local nós encontramos um oficial de Justiça do Mato Grosso e um subtenente do Exército”, disse o tenente da PM, Gustavo Arantes.

O G1 entrou em contato, por e-mail enviado às 11h15, com o Tribunal de Justiça do Mato Grosso e com o Exército e aguarda retorno.

A polícia encontrou quase 60 galos no local, muitos estavam machucados. Também foram achados materiais como esporas e medicamentos para os animais. Os galos foram deixados no local sob responsabilidade de um advogado que se apresentou como representante de criadores dos animais.

Os policiais informaram que a rinha funcionava há três anos e promovia as brigas semanalmente. De acordo com a polícia, as disputas eram marcadas por aplicativo de mensagens e os frequentadores pagavam R$ 60 para entrar.

“No momento em que chegamos lá, já estavam cadastradas 18 brigas, mas já tinham acontecido cinco. Uma coisa que chamou muito a atenção é que uma delas durou 50 minutos”, contou o tenente.

Por Vitor Santana

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.