Pedidos de proibição imediata de corridas de galgos se intensificam em meio a mortes recentes na Nova Zelândia

Pedidos de proibição imediata de corridas de galgos se intensificam em meio a mortes recentes na Nova Zelândia

Após a trágica morte de três galgos em uma semana e o fechamento temporário de uma pista de corrida, a instituição de caridade para o bem-estar animal SAFE está pedindo a proibição das corridas de galgos na Nova Zelândia. O pedido de ação veio depois que a Greyhound Racing New Zealand (GRNZ) suspendeu as corridas no Manukau Stadium devido a um aumento preocupante de lesões, o que levou as corridas a serem transferidas e especialistas internacionais a avaliarem a situação.

O chefe de investigações da SAFE, Will Appelbe, condenou as práticas do setor, enfatizando a natureza terrível dos ferimentos observados em cães de corrida. Ele enfatizou que esses incidentes não são isolados, mas sim sintomáticos de problemas mais amplos do setor. Appelbe citou estatísticas alarmantes, incluindo 2.371 ferimentos e 22 mortes desde setembro de 2021, apesar de avisos anteriores e pedidos de melhoria nos padrões de bem-estar animal.

O primeiro-ministro Christopher Luxon abordou o assunto com cautela, reconhecendo as preocupações levantadas tanto por seu governo quanto pela administração anterior. Embora Luxon tenha expressado seu alinhamento pessoal com sentimentos anteriores que questionavam o futuro das corridas de galgos, ele destacou que ainda não houve discussões ou decisões oficiais. Ele disse que isso é “algo para o Ministro das Corridas (Winston Peters)considerar”.

Em resposta, a GRNZ defendeu seu histórico, afirmando uma redução significativa na eutanásia no dia da corrida nos últimos anos devido a medidas de bem-estar aprimoradas. A organização enfatizou seu compromisso com o realojamento de galgos com lesões que encerram a carreira e destacou os esforços contínuos para melhorar os padrões do setor.

Por Trinity Sparke / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.