Pit bull leva tiro de arma de fogo e precisa de cirurgia de urgência em Camboriú, SC

Pit bull leva tiro de arma de fogo e precisa de cirurgia de urgência em Camboriú, SC
É o segundo caso de agressão a animal com tiros em menos de uma semana./Divulgação

Um inaceitável caso de agressão animal foi registrado neste domingo no Rio do Meio, em Camboriú. Um cão da raça pit bull levou um tiro no focinho, e está ainda com a bala alojada, precisando de cirurgia urgente, orçada em R$ 3950. O cão foi encontrado por três ciclistas nesta manhã, e recolhido num pet shop que está levantando o dinheiro.

O dog é um animal bonito, tem porte grande e estava ferido e largado na estrada no sentido Itajaí. Segundo Maria Lisa e Andreia, ativistas animais independentes de Camboriú, a bala está alojada no palato mole, próximo da garganta e um pouco antes da parte óssea do focinho. Andréia explica que já foi dada uma entrada de R$ 1.250 – deste valor, houve uma doação pessoal de R$ 650 e o restante foi repassado pela própria família de Andréia. Além da cirurgia, será necessária uma traqueostomia e alimentação por sonda.

A organização não-governamental Receptores de Amor, de Balneário Camboriú, também está na campanha para levantar recursos. Informações ou apoios podem ser repassados através da página da ONG no Facebook. Andreia e Lisa observam que o tiro disparado no pit bull é mais um episódio de descaso registrado na cidade, que não tem política pública voltada à proteção animal. Andreia deixa à disposição o pix 02653910918 para quem quiser auxiliar – e todas as contas serão repassadas aos apoiadores.

Segundo a clínica que atendeu emergencialmente o cão, a bala será extraída para reforçar a investigação sobre o caso, que será denunciado à Polícia Civil, e as ativistas pedem por informações de alguma testemunha.

Gatinho também foi vítima

Essa agressão a tiros é o segundo caso em cinco dias entre Balneário Camboriú e Camboriú. No dia 29, o gatinho Zico foi atingido com tiros de chumbinho, no Bairro das Nações, em Balneário. Zico foi acolhido pela ONG Viva Bicho para encaminhamento ao veterinário após ser resgatado pelo grupo de proteção ambiental da guarda municipal.

O crime rolou na rua Ilhas Carolinas, e o autor não foi encontrado. O gatinho corre o risco de ficar sem andar.

Por Juvan Neto

Fonte: DIARINHO

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.