Sem casa: a luta para reduzir o abandono de animais no Panamá durante a pandemia

Sem casa: a luta para reduzir o abandono de animais no Panamá durante a pandemia

Milhares de animais domésticos perambulam pelas ruas e bairros do Panamá todos os dias, mas uma onda crescente deles foi testemunhada desde o ataque do novo Covid-19. Fundações e equipes de resgate chamam a atenção da população para respeitarem as leis contra maus-tratos e aplicarem empatia nas adversidades.

A luta contra maus-tratos e abandono de animais de estimação teve uma explosão recente devido à crise de saúde global de Covid-19, que afetou mais de 2.467.715 pessoas em todo o mundo. Os animais não estão isentos dessas afetações, porque, embora não sejam transmissores do vírus, sofreram a expulsão de suas casas, forçando-os a seguir seus caminhos expostos às ruas de bairros e cidades.

No Panamá, o número de cães e gatos que vivem nas ruas aumenta a cada ano, agora com uma população atolada em preocupações econômicas, os animais domésticos ocupam todas as últimas posições do pensamento coletivo. “A sociedade panamenha deve entender que devemos aprender a respeitar a natureza, porque os chefes não somos nós, devemos ser empáticos e responsáveis ​​com nossos animais de estimação”, disse a diretora da Fundação San Francisco de Asís (Fundasís), Elena Castejón ao site La Estrella de Panamá.

“Precisamos reduzir o abandono, que se multiplica dia a dia”, acrescentou. “Quando sairmos dessa situação, precisaremos mudar o pensamento de todas as formas e ter em mente que os animais precisam de nós e têm direitos tanto quanto nós: de liberdade e proteção”.

Ao contrário da crença popular, o Panamá não possui abrigos onde os animais possam ser internados para adoção posterior, como explicou Castejón: “os abrigos são insustentáveis ​​porque levam as pessoas a pensar que podem abandonar seus animais de estimação sem consequências, quando isso é parte do problema que devemos erradicar. A Fundasís é um centro de adoção, onde reabilitamos e curamos os animais e depois os entregamos para adoção por novas famílias, verificadas através de visitas e entrevistas antes da entrega do cão ou gato escolhido”.

Repletos de trabalho e com menos mãos do que antes, a Fundasís, juntamente com outras associações e equipes de resgate independentes, permanece à tona devido ao seu amor pelos animais e sua paixão em ajudar aqueles que mais precisam, apesar das adversidades: “O desafio de manter o cuidado com a população animal que mantemos cresce cada vez mais, porque as pessoas continuam a abandonar seus animais de estimação; deixam os filhotes em latas de lixo ou nas proximidades do metrô, os quais devemos aceitar em nosso centro porque estão em situação de extrema emergência ”, explicou Castejón. “No nosso caso, só aceitamos animais em graus extremos de emergência, como desnutrição, filhotes de cães ou de gatos, animais atropelados, com ferimentos graves, animais com problemas de saúde”, explicou.

Da mesma forma, Redna Jaén, diretora do Club Amigos de las 4 Patas, indicou que cuidar de animais é um trabalho de 24 horas, “difícil em todos os aspectos emocionais, físicos e econômicos”. “Como regastistas independentes, nunca é fácil, não importa o tempo, pois há animais que sempre precisam de nossa ajuda em lugares diferentes, e não podemos evitar todos os casos de crueldade”. Tanto Castejón como Jaén concordam que é necessária uma maior colaboração do governo e dos municípios para aplicar as punições de forma efetiva para aqueles que violarem a Lei 70 de 12 de outubro de 2012 contra maus-tratos a animais.

“No dia em que as leis trabalharem efetivamente sobre a punição de quem maltratar, haverá uma mudança e uma esperança no país”, afirmam as representantes. O Gabinete de Bens Animais do Município do Panamá coleta dados positivos em seu site sobre seu impacto nas comunidades, e registra um total de 2.132 reclamações, com uma média de 50 ligações por mês, das quais menos de 39% são descartadas como localizações de acesso difícil.

O Panamá não possui abrigos onde os animais possam permanecer até a adoção. (Fundasís)

Castejón confirmou que a Fundasís fechou suas portas ao público faz um mês e que se dedicou a cuidar da atual população animal, que fica em torno de 422 cães e gatos sob seu teto; da mesma forma, feiras de adoção, dias de castração e serviços veterinários foram suspensos. “Estamos no estágio de planejamento para começar com as adoções on-line, onde aqueles que desejam adotar um gato ou cachorro terão que preencher um formulário e outras ferramentas para que possamos saber que o animal alcançará uma família que pode atender às suas necessidades emocionais e físicas em todos os sentidos ”, indicou.

Muitos dos animais que as organizações de resgate não conseguem salvar perambulam pelas ruas da cidade e províncias, a maioria deles tem o pior final: a morte, natural ou causada por inundações, incêndios ou, na pior das hipóteses, de envenenamento e maus-tratos pelos humanos. “Algo que a população deve entender é que os animais de rua não vêm das ruas, todos eles já tiveram uma casa em algum momento, e é importante voltar a esse desejo de ajudar”, disse Castejón.

“A palavra-chave é: prevenção”, assegurou, “não devemos humanizar os animais de estimação, nós os amamos porque eles fazem parte da nossa família, mas eles não sentem o desejo de ter filhotes, eles simplesmente respondem a um ciclo reprodutivo e devem ser castrados para evitar dar rédea livre ao abandono e à reprodução desnecessária que, no final, se torna um animal de rua ”.

Os gatos ou cães, tanto de raça como sem raça definida, em geral sofrem maus-tratos por negligência. A Fundasís recebe pelo menos 30 animais em extrema emergência todos os meses; destes, aproximadamente o mesmo número de animais na população existente é adotado a cada mês, enquanto outro baixo percentual morre de complicações de saúde.

Para mudar o destino desses animais, a população não pode depender totalmente de organizações de resgate ou centros de adoção, e é necessário tomar consciência do que acontece e mudar a mentalidade sobre os animais. “Precisamos levar a prevenção a sério”, enfatizou Castejón, “e ter uma cultura de denúncia ativa, respeitar as leis que existem contra os maus-tratos e o abandono de animais. Sempre que você testemunhar maus-tratos a um animal que está sendo abandonado, pegue as provas e ligue para a linha direta do município (521-5105).” 

Com um grupo de quatro pessoas para cuidar e proteger 422 animais no centro de adoção, a Fundasís continua forte para o que está por vir, no entanto, chama a atenção da população para parar o abandono nas ruas, parques e outros lugares, e, em vez disso, entrar em contato com as autoridades para obter orientação sobre como cuidar de seus animais de estimação sem deixá-los à sua própria sorte.

O governo deve apoiar castrações em massa; com o apoio do governo poderíamos fazer o dobro do que atualmente realizamos, e é para o bem da população humana também, não apenas para os animais”, disse Castejón, “com menos animais “vadios”, se poderia evitar doenças, contaminação, e se conscientiza as pessoas sobre a compaixão e a empatia, que são dois valores que precisamos cada vez mais”.

Nos momentos em que há preocupação com o futuro nacional, os animais de estimação não devem ser negligenciados. (Fundasís)

As medidas de segurança e os horários de saída para homens e mulheres, impostos pelo Ministério da Saúde (Minsa), limitaram os voluntários em fornecer ajuda aos animais. “Muitos de nossos voluntários se viram com seus próprios recursos financeiros para alimentar e salvar vários animais, então agora ficou mais difícil porque muitos perderam o emprego”, disse Jaén. “Há um mês, tivemos uma campanha para arrecadar fundos para enviar alimentos a Chiriquí, para aqueles que nos apoiam alimentando animais na rua”, acrescentou.

Jaén, que dirige o Club há mais de 12 anos, possui uma equipe de 30 voluntários e associados. Eles estão encarregados de vários setores da cidade, desde a alimentação, servir como lares temporários, resgatar animais em situações de emergência, dias de adoção (que são mantidos duas vezes por mês há quatro anos no Discovery Center de Tumba Muerto) e na coleta de fundos.

“Nosso processo de resgate de animais de rua envolve tirá-los das ruas, enviá-los para uma recuperação completa em lares temporários, castração e controle de saúde, para depois entregá-los para adoção por uma família”, explicou. “O mais importante é a castração, por isso trabalhamos com a comunidade para nos notificar se houver uma ninhada de cães ou uma colônia de gatos que precisam ser castrados, principalmente filhotes ou animais jovens que não podem se defender na rua e provavelmente morrerão sem a nossa ajuda”.

O Club Amigos de las 4 Patas é administrado com um sistema de abrigo temporário, de modo que os voluntários cuidam do animal de três semanas a um mês em suas casas até que possam ser adotados. “É uma tarefa imensa, porque nunca para, encontramos casos cada vez piores todos os dias”, enfatizou Jaén. “Se tivéssemos apoio do governo e de organização específica, poderíamos fazer coisas maiores e mais benéficas para a população, além de criar projetos de conscientização na sociedade”, afirmou.

Na visão de Jaén, temos que educar a população sobre a lei contra o maltrato, e o Departamento de Bem-Estar Animal, bem como conscientizar os juízes de paz: “Precisamos fazer um grande esforço para entender que os animais também têm direito à segurança e proteção. Que eles conhecem as leis que foram aprovadas para proteger esses animais. Há muito o que fazer e é necessária a disposição do governo para fazer uma diferença mais acentuada”.

Mas Castejón e Jaén não estão sozinhos nesse processo de curar a sociedade e salvar animais. Atualmente, no Panamá há um grupo que reúne fundações e associações em todo o país para fazer um chamado ao governo para a proteção de animais. “Uma grande conquista para nós foram as emendas à Lei 70 e a abertura do Departamento de Bem-Estar Animal, após anos de luta invisível a ser ouvida pelo governo”, disse Jaén.

Legenda: As associações pedem mais atenção do governo em relação à proteção dos animais. (Fundasís)

A Lei 70, em seu capítulo VI, artigo 15, detalha as falhas e penalidades por: Causar ferimento ou morte a um animal doméstico, previsto no número 1 do artigo (exceto eutanásia, morte por abate de emergência e de animais de fazenda ou produção para consumo), a morte ou ferimentos graves por atos de crueldade causados ​​a um animal doméstico usado como animal de estimação serão punidos de acordo com o disposto no artigo 421 do Código Penal; praticar ou promover atos de zoofilia; abandonar um animal de estimação; não fornecer comida ou água a um animal de estimação ou fornecer em quantidade e qualidade baixas; manter um animal de estimação, deliberada ou negligentemente, em condições higiênicas inadequadas, não fornecer tratamento médico veterinário, se necessário, e não protegê-lo contra intempéries; manter animais de estimação em gaiolas inadequadas de acordo com sua espécie e tamanho.

Ao reconhecer uma situação de maus-tratos, a denúncia deve ser realizada, que pode ser anônima, para alertar as autoridades e garantir sua ajuda. “Trabalhamos com a polícia ecológica que nos acompanha para visitar as comunidades e lidar com casos de reclamações”, disse Jaén, “damos conselhos às famílias, educando-as e dando-lhes conselhos sobre a manutenção correta do animal. Não é necessariamente levar o animal embora, mas sim conscientizar as pessoas. Em casos de grande emergência, o animal é removido do ambiente perigoso da casa onde está localizado. 

”Quando há preocupação com o futuro nacional, os animais de estimação e animais encontrados nas ruas não devem ser negligenciados, pois é essencial evitar o surgimento de novas gerações de cães ou gatos em situações de extrema emergência de saúde. “A maneira como tratamos nossos animais é o que fala de nós como sociedade, e é hora de mudar significativamente”, disse Jaén.

Por Irene Acosta / Tradução de Thaís Perin Gasparindo

Fonte: La Estrella de Panamá

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.