Belém: cadela é espancada a pauladas no bairro do Guamá e morre

Belém: cadela é espancada a pauladas no bairro do Guamá e morre

O BT recebeu a denúncia de protetores de animais, de que uma cadela foi brutalmente espancada a pauladas por um cidadão no bairro do Guamá, em Belém [PA], na quarta, 01. Segundo informações coletadas, a cachorrinha estava no cio e cachorros estavam tentando cruzar com ela. Durante a movimentação, um dos cães teria derrubado uma criança de 4 anos na rua.

Cadela espancada

O pai da criança, ao saber do ocorrido, acreditava que seu filho havia sido mordido e, com um pedaço de pau, espancou a cachorra. Segundo moradores, a cadelinha é mansa e carinhosamente chamada de Pretinha.

Resgate

Rapidamente, uma mobilização de defensores e protetores de animais conseguiram resgatar a cachorra muito machucada, realizaram uma arrecadação via redes sociais para o tratamento veterinário do animal, e pretinha recebeu cuidados médicos em uma clínica veterinária.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Jéssica Letticy (@jessicaletticy)

Porém, em virtude da gravidade dos ferimentos, a cadela não resistiu e morreu nesta quinta, 2, como divulgou Carmem Américo, que levou a cachorra ao hospital. Agora, ativistas de defesa animal cobram atitudes das autoridades pelo crime de maus tratos. O suspeito de agredir a cachorra foi ouvido pela polícia nesta quinta-feira.

O BT solicitou um posicionamento à Divisão Especializada em Meio Ambiente e Proteção Animal (Demapa), da Polícia Civil. Em nota, a PC disse o seguinte: “A Polícia Civil informa que o caso é investigado pela Delegacia de Proteção Animal (DEMA), vinculada à Divisão Especializada em Meio Ambiente e Proteção Animal (Demapa). Testemunhas foram ouvidas. O suspeito também foi ouvido e indiciado pelo crime de maus tratos a animais”.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Projeto Xerimbabos (@carmen.americo.protetora)

Fonte: BT

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.