Condomínio começa matança de capivaras em Itatiba, SP

Condomínio começa matança de capivaras em Itatiba, SP

A empresa ambiental contratada pelo Condomínio Ville de Chamonix, em Itatiba, começou ontem a operação de sacrifício de capivaras. Segundo o presidente da Organização Não-Governamental (ONG) União Protetora dos Animais, César Rocha, ao menos quatro animais já foram abatidos. Já o síndico do empreendimento, José Augusto, disse que foram três roedores eutanasiados no primeiro dia. “Uma armadilha já estava montada e nesta manhã houve a captura. Infelizmente temos que seguir a ordem dos órgãos estaduais”, disse Augusto.

O manejo de ao menos 50 capivaras foi autorizado pela Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais, da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SMA) no início deste mês após um morador morrer por febre maculosa e a Superintendência de Controle de Edemias (Sucen) considerar o local como área de risco para transmissão da doença. De acordo com o documento, datado de 6 de maio deste ano, a eutanásia tem que ser executada até 7 de março do ano que vem.

Para reverter o abate, um grupo de moradores e ambientalistas disse que conseguiu 129 assinaturas para convocar uma nova assembleia geral do condomínio e apresentar uma solução, segundo eles, judicialmente legal.

De acordo com Rocha, o documento foi protocolado ontem na administração do condomínio. “Recebi uma parte das assinaturas e faremos a triagem para ver a validade delas. Preciso receber tudo e ver se é possível convocar a assembleia”, disse o síndico. “Infelizmente os filhotes não tem jeito, eles precisam ser sacrificados, mas os adultos pode ser revisto. Tudo depende da solução legal que o pessoal apresentar. Não depende do condomínio, pois o caso tem de ser avaliado pelos órgãos estaduais”, acrescentou Augusto.

Armadilhas

O abate das capivaras foi divulgado pelo Correio Popular na edição do dia 18. Pelo estatuto do condomínio, para convocar a assembleia é necessário um abaixo-assinado com 128 assinaturas validadas, ou seja, de proprietários que estão com a situação regular com o condomínio.

Para capturar as capivaras, a empresa instalou armadilhas com cana-de-açúcar. O condomínio conta com 508 lotes e 480 famílias — sendo uma pequena parcela de veraneio. O empreendimento é de alto padrão, cercado, e está localizado em uma área verde, que conta com seis lagoas, por onde as capivaras circulam.

Em Campinas, já houve abate de capivaras no Condomínio Alphaville e também no Lago do Café, todas determinadas pela SMA, após a Sucen constatar ser áreas de risco para contaminação da febre maculosa. 

Por Alenita Ramirez 

Fonte: Correio Popular


Nota do Olhar Animal: Só lembrando que não existe “eutanásia” de animal saudável. O nome disso é EXTERMÍNIO.

Manejo não letal de capivaras

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.