Em Castanhal (PA), cresce número de filhotes de cães e gatos abandonados em caixas de papelão

Em Castanhal (PA), cresce número de filhotes de cães e gatos abandonados em caixas de papelão
Cresce o número de casos de filhotes de gatos e cachorros deixados em caixas de papelão na frente de pets e clinicas veterinárias durante a madrugada (Patrícia Baía / O Liberal)

As imagens de uma das câmeras de vigilância do petshop registraram o momento em que uma mulher, usando capacete, deixa uma caixa de papelão com sete gatinhos recém nascidos. O caso aconteceu no mês passado, por volta das 6h da manhã, em Castanhal.

De acordo com a proprietária do petshop, Kátia Raposo, na caixa, além dos filhotes tinha um bilhete que dizia que os animais haviam sido resgatados na rua e que eles estavam sendo deixados lá por ser um local onde eles poderiam ser cuidados.

“Infelizmente é normal acontecer isso. A pessoa faz isso e depois deixa um bilhete dizendo que não tem condições de cuidar ou que resgatou e resolveu deixa aqui no pet. A gente já até conseguiu identificar algumas pessoas pelas câmeras e entramos em contato mas é difícil que a pessoa se responsabilize. Já fizemos até ocorrência na polícia, mas nada muda. Dessa vez a mulher estava usando um capacete para não ser identificada”, disse.

Dos sete gatinhos abandonados na porte do Pet Shop somente um sobreviveu. (Patrícia Baía / O Liberal)
Dos sete gatinhos abandonados na porte do Pet Shop somente um sobreviveu. (Patrícia Baía / O Liberal)

Dos sete gatinhos somente um sobreviveu. “Devido serem muito novinhos e ainda estavam sendo amamentados e o calor, eles foram morrendo. Mesmo a gente tendo dado todos os cuidados veterinários necessários e o leitinho, eles foram morrendo. Só temos um que em breve estará para a adoção”, contou Kátia Raposo.

O petshop tem sete anos de funcionamento e neste tempo já foram feitas mais de mil doações de animais. “Tanto gatos quanto cães, mas os gatinhos são os que mais aparecem. Eles chegam são abandonados aqui na porta ou são de clientes que explicam que a fêmea está para parir e eles não tem condições de ficar. Por cauda da grande demanda fizemos uma lista de espera para que esses clientes pudessem deixar aqui os filhotes para adoção, mas a gente explica que não somos uma instituição de caridade e fazemos isso por amor aos animais”, explicou a proprietária do petshop.

A estudante de veterinária Claudia Alves, cuida de oito gatinhos adotados, sendo que três deles foram abandonados na porta da sua casa. “Um homem com uma camiseta cobrindo o rosto os deixou dentro de uma sacola de plástico e se eu não tivesse escutado logo os miados, poderiam ter morrido. Todos os meus gatinhos resgatados são castrados e essa é uma preocupação que tenho para que novas ninhadas surjam. Eu não teria como cuidar, pois oito já está de bom tamanho”, contou.

Já a assistente social Ana Paula Melo adotou um “caramelo” que ela viu em uma rede social. “Uma mulher tinha resgatado ele das ruas em um estado deplorável e postou no grupo da rua e perguntou se alguém poderia ficar e eu fui buscar imediatamente o meu “caramelo”. Ele poderia não estar mais vivo hoje se eu não o tivesse adotado. Eu soube que ele vivia amarrado em uma oficina mecânica e depois que o proprietário fechou o lugar, soltou o cachorro na rua, pois não teria mais a função de vigia da oficina. O animal indefeso foi até atropelado, mas hoje vive com dignidade”, explicou.

De acordo com a presidente da Comissão de defesa dos animais da OAB de Castanhal, Walkelly Oliveira, a falta de políticas públicas voltadas para a causa animal é um dos principais problemas que levam ao abandono dos animais.

“A castração é a principal alternativa para evitar a reprodução e abandono de cães e gatos. Muitas pessoas são resistentes a castração. Seria de suma importância que todos os animais fossem doados já castrados, mas por falta de políticas públicas no município não existe essa possibilidade. E de forma particular as pessoas não fazem por falta de poder aquisitivo ou de vontade mesmo”, explicou a advogada.

De acordo com o vereador Rosimar Possidônia, a Câmara do Vereadores de Castanhal já aprovou diversos projetos de lei que beneficiariam os animais do município, se tivessem sido sancionados pelo prefeito Paulo Titan.

“Temos diversos projetos aprovados, mas infelizmente nenhum sancionado pelo prefeito. Como por exemplo a ambulância pet, construção de um abrigo municipal, a criação de um hospital público veterinário e outros. A situação do município seria diferente se os animais fossem visto com prioridade também”, observou o vereador.

Por Patrícia Baía

Fonte: O Liberal