Filhote doente é jogado na lata do lixo e quebra pata

Filhote doente é jogado na lata do lixo e quebra pata

 Um filhote de cachorro foi resgatado esta semana depois de ser jogado em uma lata de lixo na Vila Aeroporto em Campinas, em SP.

Estava convulsionando e com a pata quebrada.  

Foi resgatado por duas protetoras, que colocaram a própria vida em risco, durante a pandemia de Covid-19, para tentar salvar o animal agonizante e indefeso.  

O filhote tem dois meses de idade, e ganhou o nome de Téo.  

Está com cinomose – doença que é o pesadelo dos bichos, porque é fatal em 90% dos casos, e, quando não mata, deixa sequelas irreversíveis, como tremores e descadeiramentos.  

O resgate foi feito às 22h dessa quarta-feira (25) pela enfermeira Marynes Silva, do Projeto Adorável Vira-Lata Proteção e Amor (AVLCampinas), e pela protetora independente, Ana Iara Lima.  

O cachorrinho foi levado às pressas à Clínica Veterinária Cat&Dog no Jardim Proença.  

Foi estabilizado e internado, mas o estado dele é grave.  

Corre o risco de morrer, e, como a cinomose é altamente contagiosa, precisa ficar em uma internação especial, chamada isolamento.   

Téo precisa de ajuda para poder seguir tratamento.

Mesmo com o auxílio da clínica, a conta já passa dos R$ 880.  

Além disso, cada diária de internação custa R$ 180, fora os remédios.  

“Como a gente pode ficar de braços cruzados com um caso desses? A orientação é pra ficar em casa, mas como a gente faz isso se as pessoas não param de maltratar os animais? É preciso se conscientizar que eles sentem dor, fome, sede, medo, pavor, igualzinho a todo mundo, e que ninguém merece isso”, afirma Marynes.  

Os protetores fazem o trabalho que – por lei – é de responsabilidade governamental, mas não recebem nenhuma ajuda por isso.  

Atualmente, o AVLCampinas está com 40 cachorros, entre adultos e filhotes, todos resgatados de maus-tratos e reabilitados para adoção.  

Sobrevive de recursos próprios, de rifas, bazar e de doações.  

Só para Téo, precisa urgentemente de latinhas AD (para alimentação) e anticarrapaticidas.  
 
Contato

Quem quiser ajudar, deve entrar em contato com Marynes pelo Whats: (19) 9-9270-5779.  

Toda ajuda é bem-vinda.

Raquel Valli

Fonte: A Cidade ON

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.