Internauta de Ponta Grossa (PR) retrata história de maus-tratos à animal

Internauta de Ponta Grossa (PR) retrata história de maus-tratos à animal

A história de “André, o gato” tem comovido os internautas em Ponta Grossa. O animal foi resgatado quase irreconhecível quando estava abandonado nas ruas da cidade – o gato sofre de uma doença conhecida como criptococose e que deformou parte do focinho de ‘André’. Em uma página no Facebook, a responsável pela adoção contou o passo a passo da recuperação do animal.

O endereço no Facebook já tem mais de 700 curtidas e narra, em primeira pessoa, a recuperação do gato. O animal foi resgatado das ruas e adotado – o diagnóstico inicial de ‘André’ dava conta de que ele sofria com um câncer na região do focinho, mas após vários exames a razão das feridas foi encontrada. “A criptococose é uma doença causada por um fungo chamado Criptococcus neoformans. Esse fungo é encontrado em solos, excrementos de aves (pombos) e algumas árvores como, por exemplo, os eucaliptos”, conta o administrador da página.

Expondo a difícil situação do bichano, a dona de ‘André’ busca doações e ajuda para a recuperação do felino – além de doações financeiras, ‘André’ também já ganhou banhos e outros produtos, como rações e pacotes de areia. Na página, a responsável por André narra às idas e vindas do animal nas diversas consultas e também as melhoras no estado de saúde do felino.

“Continuamos com o débito enorme na clínica, recebemos doações da ração Urinary e estamos muito gratos! Precisamos de ajuda financeira para quitar a conta na clínica! Precisamos também de areia. Mamãe tem gasto muito com remédios e não está sendo fácil. Somos 9 gatos!”, escreveu o administrador da página.

Doações

Quem tiver interesse em doar para o tratamento do gato ‘André’ pode ir diretamente na Clínica Pets e Vets, R:Dr Paula Xavier 1040, Centro. Ou realizar o depósito em conta no banco Caixa Econômica Federal (CEF), Agência 1757, Operação 13, Conta: 28803-0.

Por Afonso Verner 

Fonte: A Rede 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.