Mais de 250 ocorrências envolvendo resgate de animais foram registradas em Uberlândia (MG) neste ano

Mais de 250 ocorrências envolvendo resgate de animais foram registradas em Uberlândia (MG) neste ano
Nos primeiros meses deste ano, bombeiros já atenderam 258 ocorrências com animais | Foto: Mariely Dalmônica

Além de combater incêndios e socorrer vítimas de acidentes de trânsito, o Corpo de Bombeiros de Uberlândia também atende ocorrências que envolvem animais. Alguns podem estar em risco, enquanto outros apresentam um perigo para o cidadão e devem ser capturados ou estão fora de seu habitat. Só neste ano, de janeiro até a primeira quinzena de abril, 258 animais de diferentes espécies foram atendidos pelo 5º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais (BBMMG) em Uberlândia.

A maioria dos atendimentos envolve a captura de algum animal silvestre perigoso ou agressivo (78), e o salvamento de animais em risco (76), como cavalos e vacas que acidentalmente caem em poços artesianos, mata-burros e piscinas. Desde janeiro, 41 insetos foram capturados e 34 exterminados. Quase sempre, esses chamados envolvem abelhas e marimbondos, que só podem ser exterminados em situações de perigo iminente, caso contrário, seria considerado crime ambiental.

Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros em Uberlândia, Pedro Henrique Hipólito, os animais mais socorridos e capturados são as aves, que costumam estar presas em fios de energia e de pipas, além de cachorros e alguns animais silvestres, como tamanduá, gambá, teiú e ouriço. “Se o animal não estiver apresentando risco, se estiver em uma área verde, ele pode voltar. Aqui em Uberlândia tem muita mata. A gente invadiu o espaço deles e eles invadem o nosso”, afirmou o tenente.

Ainda de acordo com Hipólito, também é comum encontrar cobras e gatos em motores de carros. No caso das cobras, os encontros mais comuns acontecem na zona rural. Lá, o réptil, em busca de um lugar mais aquecido, se instala no veículo. “A maior demanda é de cachorro agressivo. Muitas vezes o animal não está agressivo, mas está gerando ‘transtorno’, a pessoa quer se livrar e liga para o bombeiro”, disse o tenente.

Em 2018, 678 animais foram socorridos ao longo dos 12 meses. Como em 2019, as ocorrências que se destacaram foram de salvamento de animais em risco (260) e captura de algum animal silvestre perigoso ou agressivo (142).

O menor número de registros, 12, foi de captura de outros animais domésticos perigosos ou agressivos, como gatos. No ano de 2017, 556 ocorrências envolvendo animais foram registradas pelo Corpo de Bombeiros. O salvamento de animais em risco se destacou (206), seguido da captura de insetos (126).

2019

Preguiça foi resgatada no mês passado próximo ao Parque do Sabiá, na zona urbana de Uberlândia | Foto: Divulgação
Preguiça foi resgatada no mês passado próximo ao Parque do Sabiá, na zona urbana de Uberlândia | Foto: Divulgação

No mês passado, um caso pouco comum chamou a atenção do Corpo de Bombeiros de Uberlândia. Uma preguiça foi vista por moradores nas margens do Parque do Sabiá. Como as pessoas não conseguiram conter o animal e ele estava indo direção à rodovia, os militares foram chamados para o resgate. “Pegamos ela do lado de fora e a soltamos dentro do parque. Nós não somos veterinários, mas quando percebemos que o animal está bem, já o soltamos”, afirmou Hipólito.

Outro caso registrado no mês de março foi de um cachorro que ficou com a cabeça presa na “janela” do canil, construído pela dona. “A cachorra é muito xereta, ficou com a cabeça presa. Tentamos passar óleo para tirar, mas não conseguimos, tivemos que quebrar parte do canil”, disse o tenente.

NATUREZA 2016 2017 2018 2019
Salvamento de animais em risco/perigo 173 206 260 76
Captura de animal silvestre perigoso/agressivo 112 102 142 78
Captura de cão perigoso/agressivo 50 51 84 25
Captura de outros animais domésticos perigosos/agressivos 12 17 12 4
Captura de insetos 96 126 113 41
Extermínio de insetos 85 54 67 34
TOTAL 529 556 678 258
Fonte: 5º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais (BBMMG) em Uberlândia.

Fonte: Diário de Uberlândia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.