Protetores se revezam em defesa dos animais em Campinas, SP

Protetores se revezam em defesa dos animais em Campinas, SP
Neste domingo (9), houve momentos em que os ativistas ameaçaram invadir os imóveis para alimentar os bichos (Foto: César Rodrigues/AAN)

Um grupo de 12 protetores de animais fizeram, desde a noite de sábado (8), uma vigília na Rua Cônego Manoel Garcia, no Jardim Chapadão, em Campinas, onde o coronel reformado do Exército José Antônio Prado tem uma casa e outra alugada, e manteria pelo menos 40 cachorros e gatos — 20 em cada local — usados em experimentos. Neste domingo (9) à noite, os ativistas conseguiram retirar os animais que estavam em estado crítico de saúde para levá-los a clínicas veterinárias.

Durante o dia, houve momentos em que os protetores ameaçaram invadir os imóveis para alimentar os bichos e também resgatar um cachorro de pequeno porte que estava sendo agredido por cachorros maiores. “É crueldade o que este coronel está fazendo com esses animais. Desde que chegamos aqui, só escutamos latidos e briga entre os cachorros. Eles estão famintos e podem atacar um ao outro”, disse o advogado André Luiz. O grupo chamou a Guarda Municipal (GM) para ajudá-los a invadir os imóveis. Como os guardas não tinham autorização da Justiça, chamaram o delegado de plantão do 4º Distrito Policial (DP), que foi no local por volta das 19h de ontem e declarou a situação como crime.

A perícia foi acionada para os locais e uma viatura da Polícia Militar (PM) deslocada para preservar a área até a manhã de hoje, quando medidas judiciais poderão ser adotadas.
O grupo chegou no local na noite do sábado após receber informações nas redes sociais de que o coronel planejava retirar os animais dos imóveis e levá-los para uma chácara em Araras. Em protesto, logo que chegaram no local os protetores se amarraram com uma corda e ficaram até por volta das 3h30. Após esse horário, o grupo se dividiu e revezou na vigília. Segundo eles, durante o período em que ficaram na frente da casa, os cachorros se atracaram e um deles chorou a noite toda. “A gente não sabe o que está acontecendo lá”, disse a enfermeira Marynes Silva, do Abrigo Adorável Vira-Lata. Na casa que é apontada como sendo do coronel, por volta das 14h, um funcionário surgiu no quintal e disse que havia colocado ração e água para os cachorros No quintal da frente, havia oito cachorros adultos e ao menos cinco filhotes no quintal lateral, mas o funcionário afirmou que havia mais. Após colocar água em uma travessa, o homem foi embora.

A cerca de 20 metros da casa do coronel, no lado oposto da calçada, existe outro imóvel com mais animais. A casa fica trancada, sem morador. Apenas cachorros e gatos vivem no local. Segundo os protetores, no imóvel a situação dos cães e gatos era ainda pior, já que eles estavam trancados e sem alimentos. Alguns chegaram a subir no telhado para jogar ração para os animais. “Este imóvel foi alugado em outubro de 2015 e nunca passou por limpeza. O mau cheiro é insuportável”, disse um vizinho.

O grupo afirma que vai continuar a vigília nos imóveis para impedir que o coronel tire os animais. A Guarda chegou a fazer contato com o Departamento de proteção e Bem Estar Animal (DPBEA) da Prefeitura, mas o local está superlotado e não pode receber novos animais. A reportagem não conseguiu contato com o coronel. Uma irmã dele diz que ele está com problemas psicológicos, mas não confirma a realização de experimentos.

Por Alenita Ramirez e Raquel Valli

Fonte: Correio Popular 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.