Indústria de agrotóxicos usa cães beagle como cobaia em testes a pedido da Anvisa

Indústria de agrotóxicos usa cães beagle como cobaia em testes a pedido da Anvisa

A Humane Society, organização de defesa dos animais dos Estados Unidos, divulgou esta semana filmagem em um laboratório mostrando o envenenamento de um cão da raça beagle (assista no final da reportagem). De acordo com a entidade, os testes são para um fungicida – agrotóxico usado para matar fungos – fabricado pela Dow AgroSciences que será vendido no Brasil.

As imagens foram gravadas secretamente no interior de um dos laboratórios Charles River, no estado do Michigan. A Humane afirma já ter documentado mais de 20 experimentos de curto e longo prazo, em período de 100 dias.

Segundo a organização, em um dos testes da Dow AgroScienses, 36 beagles receberam a força altas doses de fungicidas. Há a informação de que os animais que sobreviverem às experiências serão sacrificados até julho. A raça é escolhida justamente pelo seu comportamento dócil.

À revista Newsweek, a Corteva, subsidiária da Dow AgroScienses, afirmou que só testou produtos em animais quando exigido pelas autoridades reguladoras. Neste caso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o teste.

Tradução

“Concordamos que há melhores maneiras de obter os dados necessários para este estudo e temos trabalhado em estreita colaboração com a Humane Society dos dos Estados Unidos por muitos meses para incentivar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária a alterar seus requisitos de testes em animais para pesticidas”, informou a empresa em comunicado.

“Embora tenhamos recebido uma carta encorajadora da ANVISA, essa carta não é definitiva. Assim que a indústria receber a confirmação de que este teste não é mais necessário, deixaremos de realizar os testes imediatamente e faremos todos os esforços para reabilitar os animais.”

A Humane Society está coletando assinaturas pelo fim das experiências cruéis. Para assinar, clique aqui.

Por Cida Oliveira 

Fonte: Sul 21

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.