Família de mulher que abandonou cachorros no DF ajudará a cuidar dos animais

Família de mulher que abandonou cachorros no DF ajudará a cuidar dos animais
Material cedido ao Metrópoles

A família da mulher que abandonou oito filhotes de cachorro no Riacho Fundo II irá ajudar a cuidar dos animais. Os parentes afirmam que entraram em contato com a dona do pet shop onde os animais foram deixados e levaram a mãe dos bichos para que fossem amamentados corretamente.

Segundo os parentes, a mulher sofre de problemas mentais desde os 9 anos e estão tomando as medidas necessárias para garantir o tratamento. Eles fazem um “apelo às autoridades” porque vivem uma situação em que sofre ela, a família, os animaizinhos, e ainda causa problemas e transtornos como o da proprietária do pet shop”

Câmeras de segurança flagraram o momento em que a mulher, acompanhada de uma criança, passa segurando a caixa com os filhotes. Após abandonar os animais, a mulher volta sem nada nas mãos.

Ana Paula Vasconcelos, advogada do Fórum de Defesa Animal, alertou sobre a responsabilidade da família em casos como este. “Dependendo do grau da doença, ela não pode ter sob sua responsabilidade qualquer outro ser, principalmente seres vulneráveis. Então, a gente entende todo drama familiar, mas a família precisa ficar atenta pra que essas questões não aconteçam”, afirma.

Abandono dos cachorros

Uma mulher abandonou uma caixa com oito filhotes de cachorro na frente de um pet shop na QN 7E, no Riacho Fundo II. O caso aconteceu na tarde do último sábado (1º/4).

A proprietária do pet shop não tem como cuidar dos cachorros e decidiu registrar um boletim de ocorrência. O caso é investigado pela 29ª DP, do Riacho Fundo, como abandono de animais em propriedade alheia e maus-tratos a animais.

Ana Paula Vasconcelos, advogada do Fórum de Defesa Animal, explica que o abandono de animais é crime conforme a Lei 9.605/98 art 32 e 32- A, sendo passível de reclusão de 2 a 5 anos quando o crime for cometido contra cães e gatos.

“Além de criminoso, esse ato é moralmente condenável. É preciso repreendido a altura. A sociedade precisa praticar a guarda responsável e castrar seus animais para evitarmos cenas tão covardes como essas”, comenta Vasconcelos.

Por Jonatas Martins e Francisco Dutra

Fonte: Metrópoles